Brasil

Apoio a impeachment de Bolsonaro é de 39% entre quem o acha regular, diz Datafolha

Bolsonaro está sob pressão devido à conjunção da crise sanitária e econômica decorrente da Covid-19 e pela saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça

BolsonaroBolsonaro - Foto: Alan Santos/PR

A mais recente pesquisa do Datafolha sobre o governo Jair Bolsonaro mostra um aumento na polarização do país, com a queda na taxa de quem acha o trabalho do presidente regular.

Neste contingente, que soma 26% da população, ante 32% em levantamento feito no começo de dezembro, o apoio à abertura de um processo de impeachment e à renúncia do presidente tem peso semelhante: 39% e 38%, respectivamente.

No caso do impeachment, há um empate dentro da margem de erro de três pontos percentuais com o índice dos que defendem a abertura na população em geral: 45%. Já a defesa da renúncia tem uma distância maior, fora da margem: no total, 46% acham que o presidente deveria sair voluntariamente do cargo.

Leia também:
Apoio a isolamento universal cai oito pontos, mostra Datafolha
Bolsonaro acumula derrotas em série no STF em meio à pandemia


Entre esse time do meio, 52% são contra o processo de impedimento, empatados com 48% da conjunto avaliado. Já o apoio para que Bolsonaro não renuncie é de 55%, também empatado com o índice geral (50%).

Acompanhar o movimento desse grupo é importante no contexto da crise política atual dada a aceleração da polarização. Bolsonaro tem hoje cristalizados 33% de ótimo e bom entre os brasileiros, enquanto 38% o rejeitam como ruim ou péssimo.

Nesses grupos, o apoio ou desaprovação de renúncia e impeachment seguem a lógica esperada. Só 8% daqueles que acham Bolsonaro bom ou ótimo querem o processo de impedimento e 11%, a renúncia. A mão contrária vai na mesma linha: 84% dos que o rejeitam querem ver o impeachment na Câmara e 83%, a renúncia. Assim, o grupo da avaliação regular, caso a tendência de polarização se acentue, deverá ajustar o balanço desta polarização.

Bolsonaro está sob pressão devido à conjunção da crise sanitária e econômica decorrente da Covid-19 e pela saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Estrela da Esplanada, o ex-juiz da Lava Jato acusou o presidente de tentar interferir politicamente na PF.

Bolsonaro negou, mas indicou para o cargo um delegado próximo de sua família, que é alvo de apurações. Nesta quarta (29), decisão provisória no Supremo Tribunal Federal impediu a posse do escolhido, Alexandre Ramagem.

Veja também

Ministro do TSE manda tirar do ar publicações de Damares sobre Lula
justiça

Ministro do TSE manda tirar do ar publicações de Damares sobre Lula

Cinco estados tiveram mais de 20 mil ações policiais durante pandemia
segurança

Cinco estados tiveram mais de 20 mil ações policiais durante pandemia