Após 3 anos, estradas do Brasil param de melhorar, aponta CNT

Em 2016, houve uma diminuição das estradas consideradas em bom ou ótimo estado no País

O ministro é acusado de tentar transferir investimentos para o Paraná, seu reduto eleitoralO ministro é acusado de tentar transferir investimentos para o Paraná, seu reduto eleitoral - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

As condições das rodovias do País pararam de melhorar após três anos seguidos de avanço na qualidade. É o que aponta a pesquisa da CNT (Confederação Nacional do Transporte) que avalia as condições do pavimento, sinalização e geometria de 103 mil quilômetros de via e em 2016 completa 20 anos.

De acordo com os dados, 41,8% da extensão pesquisada das estradas foram consideradas em bom ou ótimo estado. Em 2015, 43% da extensão avaliada estavam em estado bom ou ótimo. Em 2014, o estudo havia mostrado que 37,2% em estado ótimo ou bom.

Em 2016, outros 34,6% dos trechos foram considerados regular e 23,6% ruim e péssimo, número semelhante ao de 2015.

Apesar de a qualidade geral ter se mantido estável, outros dados mostram que houve piora. Foram encontrados 414 pontos críticos, ou seja, áreas onde é praticamente impossível trafegar devido a buracos ou quedas de acostamento, por exemplo, número 27% superior ao de 2015.

O estado do pavimento das estradas, com metade delas em estado regular, ruim ou péssimo, é a principal fonte de preocupação apontada na pesquisa já que esse dado está piorando e pode ter reflexo rápido numa piora futura.

José Hélio Fernandes, diretor da CNT, disse que a pesquisa vem evoluindo após começar com a avaliação de apenas 15 mil quilômetros de estradas. Segundo ele, o trabalho é referência para a adoção de políticas.

Concedidas

As rodovias privatizadas avaliadas, que tem 20 mil quilômetros, chegaram a 79% de resultado ótimo ou bom, melhorando em relação a 2014 (74%) e 2015 (78%).

Já as administradas pelos governos federal e estaduais, com 83 mil quilômetros, tiveram leve queda com avaliação de 33% de ótimo e bom, contra 34% de 2015 e 29% de 2014. Os trechos ruins e péssimo alcançaram 29% nas estradas sob administração pública.

De acordo com dados da CNT, a queda nos investimentos do governo federal no setor podem estar relacionados à piora da qualidade. No ano passado, o governo federal gastou R$ 6 bilhões no setor contra R$ 9 bilhões no ano anterior.

Segundo Bruno Batista, diretor executivo da CNT, a piora da qualidade das estradas gera custos extras para o transporte, estimados na pesquisa em 25% mais do que seria se ela estivesse em boas condições.

Veja também

Mais de 41 milhões de brasileiros estavam obesos em 2019
Saúde

Mais de 41 milhões de brasileiros estavam obesos em 2019

'Não será comprada', diz Bolsonaro sobre vacina chinesa após Pazuello anunciar aquisição
Coronavac

'Não será comprada', diz Bolsonaro sobre vacina chinesa após Pazuello anunciar aquisição