Após adiamento, Mourão deve reinaugurar estação brasileira na Antártica nesta quarta

Prevista para a última terça (14), às 17h, a cerimônia teve de ser adiada porque as condições climáticas impediram a chegada do vice-presidente ao local

Estação Comandante Ferraz, na AntárticaEstação Comandante Ferraz, na Antártica - Foto: Maurício de Almeida/TV Brasil

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, deve reinaugurar nesta quarta-feira (15) a Estação Comandante Ferraz, base de pesquisa do Brasil na Antártica. Prevista para a última terça (14), às 17h, a cerimônia teve de ser adiada porque as condições climáticas impediram a chegada do vice-presidente e demais autoridades ao local. A reinauguração deve ocorrer às 17h.

O novo prédio, na ilha Rei George, na Baía do Almirantado, foi erguido ao lado da atual base, que tem estrutura provisória. O evento vai ser transmitido ao vivo pela TV Brasil e pelas redes sociais da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Leia também:
Reinauguração da estação brasileira na Antártica é adiada para quarta
Estação brasileira de pesquisa será uma das mais modernas da Antártica
UFPE comandará programa na Antártica

A Estação Comandante Ferraz foi criada em 1984, mas em 2012 sofreu um incêndio de grande proporções. Na ocasião, dois militares morreram e 70% das suas instalações foram perdidas. O governo federal investiu cerca de US$ 100 milhões na obra, e a unidade recebeu os equipamentos mais avançados do mundo. No local, pesquisadores vão realizar estudos nas áreas de biologia, oceanografia, glaciologia, meteorologia e antropologia.

O Brasil faz parte de um seleto grupo de 29 países que têm estações científicas na Antártica. Essa presença é muito importante porque, de acordo com o tratado antártico, só quem desenvolve pesquisas na região poderá definir o futuro do continente gelado.

Veja também

Estudante brasileira descobre, aos 16 anos de idade, um asteroide
Astronomia

Estudante brasileira descobre, aos 16 anos de idade, um asteroide

Brasil já perdeu mais de 0,1% de sua população para a Covid-19
Coronavírus

Brasil já perdeu mais de 0,1% de sua população para a Covid-19