Após crítica sobre silêncio no AM, Temer lamenta massacre em RR

Ao todo, 33 pessoas foram assassinadas na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, a maior unidade prisional de Roraima

  Composta por três etapas, o equipamento ligará um total de 16 bairros da cidade, com 8,5 km de extensão Composta por três etapas, o equipamento ligará um total de 16 bairros da cidade, com 8,5 km de extensão - Foto: Divulgação

Em atitude diferente da observada após o massacre de presos em Manaus -sobre o qual demorou três dias para se pronunciar-, o presidente Michel Temer lamentou nesta sexta (6) as mortes na maior prisão de Roraima e prestou solidariedade à população estadual.

Em comunicado público, a assessoria de imprensa da Presidência da República informou que o presidente telefonou para a governadora Suely Campos (PP) e colocou as forças federais à disposição da unidade da federação.

Ao todo, 33 pessoas foram assassinadas na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, a maior unidade prisional de Roraima. Segundo o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, os mortos tinham ligação com o PCC (Primeiro Comando da Capital) e se tratou de um "acerto interno de contas". "Temer lamentou o episódio e se solidarizou com o povo do Estado", ressalta o comunicado.

A nota pública informa ainda que a governadora salientou que a situação estadual está " sob controle" e que não há a necessidade de reforço federal.
"Ficou acertado que as autoridades estaduais manterão permanente contato com o Ministério da Justiça para trocar informações sobre a evolução da situação de segurança em Boa Vista", ressalta.

O silêncio do presidente no massacre em Manaus fazia parte de uma estratégia para evitar que a crise prisional desgastasse a imagem do peemedebista. Ao todo, 60 presos foram mortos em dois presídios da capital amazonense.
Com a repercussão negativa, contudo, Temer recuou e se pronunciou na quinta-feira (5), quando chamou o ocorrido de "acidente pavoroso".

Criticado nas redes sociais e por especialistas em segurança pela utilização do termo, ele recorreu ao dicionário e publicou sinônimos da palavra "acidente", entre eles "tragédia" e "fatalidade".
Apesar da explicação, o presidente continuou sendo criticado nas redes sociais pelo uso da expressão.

Veja também

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho
Henry Borel

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho

Merendeira que ajudou crianças em massacre de Suzano é 1ª profissional de educação vacinada
Covid-19 no Brasil

Merendeira que ajudou crianças em massacre de Suzano é 1ª profissional de educação vacinada