Após naufrágio, Promotoria da BA pede suspensão da travessia de lanchas

Há pelo menos dez anos, a Promotoria vinha denunciando as condições da travessia, avaliadas como precárias

Vítimas são socorridas pelo SAMUVítimas são socorridas pelo SAMU - Foto: LUCIO TAVORA / AFP

O Ministério Público do Estado da Bahia pediu à Justiça, em caráter de urgência, a suspensão temporária da travessia de lanchas entre Salvador e Vera Cruz, na ilha de Itaparica.

Na última quinta-feira (24) a lancha Cavalo Marinho 1 tombou durante uma travessia, a 200 metros do cais, deixando 19 pessoas mortas. As travessias foram retomadas pelas empresas nesta terça-feira (29).

O pedido de suspensão foi realizado no âmbito de uma ação civil pública ajuizada pela Promotoria em 2014 denunciando a precariedade do sistema. A medida atinge as empresas CL Transportes e Vera Cruz Transportes, concessionárias que fazem a travessia.

Leia também:
MPE cria força-tarefa para apurar circunstâncias do naufrágio em Salvador
Moradores de ilha se mobilizam contra travessia de lanchas na Bahia
Documentos de barco que afundou no Pará continham informações irregulares
Bombeiros retomam buscas de vítimas de naufrágio na Bahia


No pedido, a liberação das lanchas é condicionada à apresentação de uma série de laudos e documentos como estudos técnicos sobre a segurança das embarcações, habilitação técnica e profissional de toda a tripulação e perícia em todas as embarcações das duas empresas feita por profissional indicado pela Justiça.

Há pelo menos dez anos, a Promotoria vinha denunciando as condições da travessia, avaliadas como precárias. Quatro ações civis públicas relacionadas ao sistema de lanchas já haviam sido ajuizadas antes do naufrágio. Depois do acidente, o MP/BA instaurou um novo inquérito civil para apurar as causas do acidente que pode resultar em uma nova ação civil pública.

Buscas
O Corpo de Bombeiros mantêm as buscas a uma adolescente de 12 anos que está desaparecida desde o dia do naufrágio. A polícia já tinha conhecimento do desaparecimento, mas os familiares registraram boletim de ocorrência somente nesta terça-feira (29).

Uma tia da garota afirmou à polícia que a levou até o cais de Vera Cruz, onde ela embarcou na lancha Cavalo Marinho 1. Ela faria a travessia sozinha e seria recebida pela mãe, que a aguardava em Salvador.

Veja também

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos
Saúde

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos

Quatro pessoas morrem após acidente entre lanchas em Angra dos Reis
Rio de Janeiro

Quatro pessoas morrem após acidente entre lanchas em Angra dos Reis