Após saída de Beltrame, chefe da Polícia Civil do Rio deixa o cargo

Em entrevista ao "Bom Dia Rio", da TV Globo, nesta quarta (12), ele admitiu que a crise financeira do Estado atrapalhou o seu trabalho.

A Casa de VeraneioA Casa de Veraneio - Foto: Imovision/Divulgação

Um dia depois de José Mariano Beltrame deixar oficialmente a Secretaria de Segurança do Rio, o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, também entregou o cargo.

Em entrevista ao "Bom Dia Rio", da TV Globo, nesta quarta (12), ele admitiu que a crise financeira do Estado atrapalhou o seu trabalho.

"A polícia não está conseguindo investigar o que precisa ser investigado. Nosso trabalho foi reduzido. Com exceção da Divisão de Homicídios, para a qual conseguimos manter os recursos, as outras unidades da instituição trabalham de forma precária", afirmou o chefe da Polícia Civil.

"Até o combustível dos carros é racionado. O policial civil faz o melhor possível, mas fica em uma situação delicada quando percebe que o próprio sustento da família é incerto", acrescentou.

No cargo desde janeiro de 2014, Veloso disse já havia pedido para deixar o cargo antes dos Jogos Olímpicos, mas foi convencido por Beltrame. "Como o secretário vai deixar o cargo, eu me senti à vontade para fazer o mesmo", disse.

Em nota, Veloso agradeceu aos policiais que trabalharam com ele no período. "A vocês o meu mais sincero obrigado, o meu respeito e a minha admiração", afirmou.
O ex-chefe da Polícia Civil também parabenizou Roberto Sá, que deve assumir Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro na próxima segunda-feira (17), com o desafio de aprimorar as UPP (Unidades de Polícia Pacificadora).

Sá passa a ocupar o lugar que era de Beltrame, que, na noite desta segunda (10), pediu para deixar o cargo em que estava há dez anos.

O pedido ocorreu logo após um intenso tiroteio em Copacabana, área turística da zona sul da cidade, em que três supostos criminosos foram mortos na favela Pavão-Pavãozinho.

Beltrame já demonstrava desejo de sair do governo desde o fim de 2014. Ele foi nomeado no início da gestão Sérgio Cabral, em 2007 e marcou sua gestão pela criação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), no fim de 2008. O projeto colheu bons resultados nos primeiros anos, mas a partir de 2012 passou a sofrer com a falta de recursos para manutenção e ataques de criminosos.

Veja também

'Não será comprada', diz Bolsonaro sobre vacina chinesa após Pazuello anunciar aquisição
Coronavac

'Não será comprada', diz Bolsonaro sobre vacina chinesa após Pazuello anunciar aquisição

PF investiga fraudes em licitações da Infraero
Operação

PF investiga fraudes em licitações da Infraero