Associação cobra Cármen Lúcia sobre benefícios a juízes estaduais

Diretoria da Ajufe decidiu na madrugada desta quinta convocar uma paralisação da categoria para o dia 15 de março

Ministra Cármen LúciaMinistra Cármen Lúcia - Foto: Gláucio Dettmar/CNJ

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou nota, nesta quinta-feira (22), para cobrar que a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, inclua na pauta de março o julgamento de uma ação que trata sobre benefícios a juízes estaduais. Na quarta (21), Cármen Lúcia decidiu que o plenário da corte julgará em 22 de março o auxílio-moradia pago a juízes de todo o país.

Conforme publicou a Folha de S.Paulo, magistrados federais estão revoltados com o fato de a presidente do STF ter pautado ações que afetam a categoria, desconsiderando outra ação que questiona benefícios concedido a juízes estaduais.

A diretoria da Ajufe decidiu na madrugada desta quinta convocar uma paralisação da categoria para o dia 15 de março. Para a Ajufe, falta isonomia no tratamento dado às categorias dos juízes.

Leia também:
 Moro encabeça lista tríplice da Ajufe com indicações de ministro para o STF
Cármen Lúcia mantém suspensão da posse de Cristiane Brasil como ministra

Em nota, a associação afirma que o STF "deixou de incluir em pauta de julgamento a ação (...) que trata da Lei dos 'Fatos Funcionais da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro', que servirá para definir o que pode e o que não pode ser pago aos juízes de todo o país, de forma clara, transparente e de acordo com os anseios de toda a população brasileira".

A Ajufe defende que as ações sejam julgadas em conjunto "para que sejam definidos, pelo STF, quais são os pagamentos legais e constitucionais devidos a todos os magistrados brasileiros (ministros, desembargadores e juízes), colocando uma resolução definitiva nesta questão, que tanto atormenta a população e a opinião pública brasileiras".

De acordo com a associação, "não basta apenas julgar as ações que tratam do auxílio-moradia, que atingirão apenas os juízes federais, deixando sem resolução os diversos pagamentos realizados nos âmbitos dos demais seguimentos do judiciário".
A Ajufe diz ainda que os juízes federais entraram "no foco de poderosas forças" porque atuam de maneira "imparcial e combativa contra a corrupção".

A presidente do STF foi questionada pela reportagem sobre os motivos que a levaram não incluir a ação que atinge os magistrados estaduais na pauta de março, mas ainda não obteve resposta.

Veja também

Bolsonaro diz que pediu flexibilização de restrições para entrada nos EUA para estudantes
Diplomacia

Bolsonaro diz que pediu menos restrições para entrada de estudantes nos EUA

Amazônia já tem mais queimadas em 2020 do que em todo o ano passado
meio ambiente

Amazônia já tem mais queimadas em 2020 do que em todo o ano passado