Atirador mata quatro pessoas dentro de igreja em Campinas

Catedral de Nossa Senhora da Conceição, localizada no centro da cidade, está cercada pelos agentes das forças de segurança

Principal suspeita é de que o homem teria entrado atirando na igreja e se matou após o ataquePrincipal suspeita é de que o homem teria entrado atirando na igreja e se matou após o ataque - Foto: Reprodução / Facebook

Quatro homens foram mortos e outras quatro pessoas foram feridas a tiros na Catedral Metropolitana de Campinas (SP) no início da tarde desta terça-feira (11). O atirador, identificado como Euler Fernando Grandolpho, 49, entrou na igreja, sentou-se entre os fiéis e passou a disparar contra os presentes logo após o final da missa.

Segundo a Polícia Militar, o atirador se matou após o ataque — ele portava uma pistola 9 mm e mais um revólver — as duas armas estavam com as suas numerações raspadas. A motivação do ataque ainda é desconhecida. Euler não tinha nenhuma passagem pela polícia.

Os tiros foram disparados após a missa das 12h15. A PM diz ter registrado um chamado pelo 190 às 13h25. Uma câmera do circuito interno da catedral mostra ação do atirador. No vídeo, obtido pela Folha, ele de repente se levanta e passa a disparar contra um grupo de pessoas sentada logo atrás dele.

Leia também:
Atirador de Campinas trabalhou como auxiliar da Promotoria de SP
Homem de 84 anos está em estado grave após tiroteio na catedral
Homem dispara tiros em unidade de saúde de Olinda
Tiroteio na França deixa um morto e seis feridos
Grande Recife teve quatro tiroteios por dia em outubro

Captura de vídeo da câmera interna da Catedral de Campinas

Captura de vídeo da câmera interna da Catedral de Campinas

O atirador em seguida caminha para a frente da igreja e começa a disparar contra policiais que entraram na catedral para rendê-lo. O atirador ainda teve tempo de trocar o pente da pistola até ser atingido no tórax. Caído, disparou contra a própria cabeça. Ele ainda tinha 28 balas em pentes na mochila.

"Entrei na igreja, a missa já havia terminado. Alguns minutos depois o atirador entrou e se posicionou na frente de um casal e atirou", conta o aposentado Pedro Rodrigues, 66. "Eu saí correndo, não houve gritaria apenas correria. E ele continuou atirando. Eu tenho muita sorte de estar vivo."

A assistente-administrativo Luciana de Oliveira, 36, disse ter ouvido um grande número de disparos, quando passava perto do templo. "Ouvimos muitos tiros e as pessoas gritando, chorando. Vimos o homem baleado no peito saindo de maca. Foi horrível".

O entorno da igreja, região comercial, estava cheio no momento do crime, devido à proximidade do Natal. Por isso, o policiamento na área também era reforçado, o que agilizou a chegada dos policiais ao local.

Moradora de rua, Artemis José de Oliveira, 40, conta que viu os feridos saindo da igreja. "Ouvi os tiros e vi um senhor com sangue no ombro saindo e uma senhora também baleada que caiu na porta. A polícia saiu atirando na porta pra dentro da igreja. Teve troca de tiro", afirma. "Pensei nos fiéis da igreja que sempre nos ajudam. Foi horrível".

"A intenção era atirar. Ele já atirou 'fatalizando' as pessoas. Não tinha nenhum motivo específico que não fosse a loucura dele", disse o secretário municipal de Segurança de Campinas, Luiz Augusto Baggio.

Quatro homens, todos idosos, morreram no local. Outras quatro pessoas foram atingidas e socorridas pelos bombeiros e pelos médicos do Samu. Os bombeiros informaram que os sobreviventes vão passar por cirurgia para a retirada dos projéteis que atingiram partes vitais. O estado de saúde deles não foi divulgado.

A Catedral de Nossa Senhora da Conceição fica na principal área comercial da cidade. Por meio de nota, a arquidiocese de Campinas informou que a catedral está fechada para o atendimento às vítimas e para as investigações da polícia. "Contamos com as orações de todos neste momento de profunda dor", segundo trecho do comunicado.

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), decretou luto oficial de três dias, a contar a partir desta terça-feira (11).

Estatuto do desarmamento
A eleição de Jair Bolsonaro (PSL) provocou uma nova discussão sobre ampliar o acesso a armas para autodefesa. Durante a campanha, ele prometeu revogar o estatuto caso fosse eleito. Para fazer isso, porém, é necessária aprovação do Congresso.

Aprovado em dezembro de 2003, o Estatuto do Desarmamento limitou a posse de armas no país e tirou milhares de armamentos das ruas. Até o início de 2014, quase 650 mil armas de fogo foram entregues voluntariamente pela população.

Atualmente, 55% dos brasileiros acham que as armas devem ser proibidas por representarem ameaça à vida dos outros, e 41% avaliam que possuir uma arma legalizada deve ser direito do cidadão que queira se defender. Os dados são de pesquisa Datafolha de outubro deste ano.

Em novembro de 2013, 68% achavam que as armas deveriam ser proibidas, e só 30% queriam armas liberadas. De um lado deste debate está a hipótese da letalidade, em que o aumento de armas leva ao avanço dos conflitos com mortes, além da redução dos custos dos criminosos para obterem armas — porque preços no mercado paralelo caem ou porque fica mais fácil se apropriar de armas legais.

No extremo oposto, está a hipótese do uso defensivo de armas, segundo a qual a proliferação de armamentos diminuiria a incidência de crimes ao mudar o cálculo de risco de criminosos. Eles seriam desencorajados do enfrentamento diante da maior probabilidade de encontrarem resistência inesperada por parte da vítima.

Lei federal de 2003, o Estatuto do Desarmamento regula o acesso a armas e restringiu o porte e a posse em todo o país. Ainda assim, em média seis armas são vendidas por hora no mercado civil nacional. Neste ano, até 22 de agosto, haviam sido vendidas 34.731 armas no país.

Veja também

Brasil tem 1.340 mortes e mais de 64 mil casos da Covid-19 registrados em 24 horas
Boletim Pandemia

Brasil tem 1.340 mortes e mais de 64 mil casos da Covid-19 registrados em 24 horas

Médica da Fiocruz chora e diz que falta de vacinas é 'absoluta incompetência' do governo Bolsonaro
Saúde

Médica da Fiocruz chora e diz que falta de vacinas é 'absoluta incompetência' do governo Bolsonaro