Atitude de Janot é inaceitável, diz novo procurador-geral

Um dia após os relatos de Janot, ministro Alexandre de Moraes ordenou uma ação de busca e apreensão pela Polícia Federal em endereços ligados ao ex-PGR em Brasília

Augusto Aras Augusto Aras  - Foto: Roberto Jayme/TSE

O novo procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou neste sábado (28), por meio de nota, que considera "inaceitáveis as atitudes" divulgadas por Rodrigo Janot, ex-chefe da PGR, que afirmou ter tido a intenção de matar o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal). "O Ministério Público Federal é uma instituição que está acima dos eventuais desvios praticados por qualquer um de seus ex-integrantes", diz a nota da assessoria de Aras.

"O procurador-geral da República, Augusto Aras, considera inaceitáveis as atitudes divulgadas no noticiário a respeito de um de seus antecessores. E afirma confiar no conjunto de seus colegas, homens e mulheres dotados de qualificação técnica e denodo no exercício de sua atividade funcional. Os erros de um único ex-procurador não têm o condão de macular o MP e seus membros. O Ministério Público continuará a cumprir com rigor o seu dever constitucional de guardião da ordem jurídica", afirma a manifestação.

Um dia após os relatos de Janot, que disse ter entrado armado na corte naquele ano para assassinar Gilmar, o ministro Alexandre de Moraes ordenou uma ação de busca e apreensão pela Polícia Federal em endereços ligados ao ex-PGR em Brasília. Ele também determinou a imediata suspensão de todos os portes de arma em nome de Janot e ordenou que ele mantenha distância de no mínimo 200 metros de qualquer ministro e da sede do tribunal.

Leia também:
Gilmar chama Janot de 'potencial facínora' e pede mudança na escolha do PGR
Janot diz qgitou mue coatar Gilmar Mendes dentro do Supremo quando era PGR
Livro de Janot traz relatos incoerentes sobre acerto de contas com desafetos


As decisões de Moraes foram tomadas no âmbito do controverso inquérito das fake news, que investiga ameaças a integrantes do STF. A investigação foi aberta em março pelo presidente da corte, ministro Dias Toffoli, e motivou críticas na ocasião inclusive da então PGR Raquel Dodge, para quem ele desrespeitou o processo legal ao abrir inquérito de ofício, sem ser provocado por outro órgão.

Janot disse na quinta (26) a veículos de imprensa que entrou no Supremo em 2017 armado com uma pistola com a intenção de matar Gilmar Mendes por causa de insinuações que ele teria feito sobre sua filha. Ele afirmou que, em seguida, pretendia se suicidar.

O ex-procurador narra o episódio num livro de memórias que está lançando neste mês -sem nomear Gilmar.

Veja também

USP busca voluntários para testar vacina contra HIV
Saúde

USP busca voluntários para testar vacina contra HIV

Projeto no Rio arrecada bicicletas para uso de crianças nas favelas
Rio de Janeiro

Projeto no Rio arrecada bicicletas para uso de crianças nas favelas