Australiano vítima de atropelamento em Copacabana continua em estado gravíssimo

Australiano de 68 anos, morador do Rio de Janeiro, sofreu traumatismo craniano e continua internado

Automóvel atropelou mais de uma dezena de pessoas em CopacabanaAutomóvel atropelou mais de uma dezena de pessoas em Copacabana - Foto: Divulgação

O quadro de saúde das pessoas atropeladas na praia de Copacabana, no Rio, na última quinta-feira (18), pelo motorista Antônio de Almeida Anaquim, de 41 anos, não sofreu alterações de sábado para este domingo (21), informou a Secretaria Municipal de Saúde.

As vítimas estão internadas internadas em hospitais da rede municipal. As informações são da Agência Brasil.

O australiano de 68 anos, morador do Rio de Janeiro há cerca de 20 anos, que sofreu traumatismo craniano, continua em estado gravíssimo, na UTI no Hospital Municipal Miguel Couto, respirando por aparelhos.

Leia também:
Vítimas de atropelamento em Copacabana passarão por cirurgia na segunda
Bebê morre em atropelamento no calçadão de Copacabana; mãe fica ferida


Nesta mesma unidade estão internados um menino de 7 anos, em situação clinicamente estável, com cirurgia ortopédica prevista para esta segunda-feira (22), e três adultos -de 36, 38 e 41 anos de idade-, também com procedimentos ortopédicos agendados para este início de semana.

No Hospital Municipal Souza Aguiar, dois adultos -de 34 e 61 anos- que tiveram fraturas já foram operados e se recuperam bem, de acordo com a secretaria. Outra vítima, de 32 anos, teve fratura no braço e deverá ser transferida para hospital de alta complexidade em ortopedia para fazer a cirurgia necessária. A cirurgia já foi inserida no Sistema Estadual de Regulação, com pedido de transferência.

Veja também

Abraham Weintraub é reeleito como diretor executivo no Banco Mundial por mais dois anos
Brasil

Abraham Weintraub é reeleito como diretor executivo no Banco Mundial por mais dois anos

Brasil acumula 159,4 mil mortes por Covid-19 desde início da pandemia
boletim

Brasil acumula 159,4 mil mortes por Covid-19 desde início da pandemia