Avião com time da Chapecoense cai e mata 75 pessoas

Há informações de que cinco pessoas sobreviveram. Dois jogadores pernambucanos estavam na aeronave

Carlos Veras (PT), em entrevista à Rádio FolhaCarlos Veras (PT), em entrevista à Rádio Folha - Foto: Julya Caminha/Folha de Pernambuco

Autoridades colombianas informaram nesta terça-feira (29) que 75 pessoas morreram durante a queda de um avião na cidade de La Unión, próximo a Medellín, na Colômbia.

Entre as vítimas, estava a delegação da Chapecoense e jornalistas brasileiros. O time disputaria nesta quarta (30) a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, que lamentou a morte dos jogadores.

Leia mais:
» Seis pessoas sobreviveram, dizem autoridades aeronáuticas colombianas
» Anac vetou voo fretado da Chapecoense para viagem à Colômbia
» Conmebol suspende final da Copa Sul-Americana após acidente com avião da Chapecoense
» CBF adia final da Copa do Brasil após acidente com avião da Chapecoense
» Veja os acidentes aéreos na história do futebol

A informação foi inicialmente divulgada pelo general José Acevedo Ossa, membro da polícia local e responsável pelo resgate, e foi posteriormente confirmada pelo prefeito de Medellín, Federico Guitiérrez Zuluaga. Contudo, as autoridades colombianas ainda não localizaram todos os corpos -podem haver sobreviventes sob os destroços.

O voo da empresa Lamia, proveniente da Bolívia, transportava 9 tripulantes e 72 passageiros. Ao menos 22 jornalistas da Fox TV, da Globo, RBS e rádios estavam no voo. As autoridades colombianas informaram que havia seis sobreviventes.

São eles: o jornalista Rafael Hensel, da rádio Oeste Capital, os jogadores Alan Luciano Ruschel, Jackson Ragnar Follmann, Hélio Hermito Zampier Neto, e dois tripulantes Ximena Suárez e Erwin Tumiri. Eles foram encaminhados para hospitais da região, alguns em estado grave.

O goleiro da Chapecoense, Marcos Danilo Padilha, que havia sido resgato com vida, não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital. A morte de Padilha foi confirmada por um porta-voz do time catarinense.

Acidente

O acidente ocorreu quando a aeronave se aproximava de Medellín, no noroeste da Colômbia, segundo fontes oficiais. Por volta das 22h (horário local), a aeronave contatou a torre de controle da Aeronáutica Civil para informar que estava em emergência devido a falhas elétricas, entre as cidades de Ceja e Unión.

Segundo o aeroporto José María Córdova, na cidade de Rionegro, onde a aeronave iria pousar, o acidente ocorreu em Cerro Gordo, no departamento de Antioquia. O acesso ao local, a cerca de 50 quilômetros de Medellín, é feito apenas por terra, devido às más condições meteorológicas no local.

"Parece que o avião ficou sem combustível", disse Elkin Ospina, prefeito da cidade de La Ceja, vizinho do local do acidente. Segundo o funcionário, as autoridades já estão no local e os centros médicos se preparam para atender os feridos.

A Aeronáutica Civil colombiana afirmou em comunicado que instalou um posto no aeroporto José María Córdova para gerenciar a situação. A prefeitura de Rionegro, pediu para a população evitar ir ao local do acidente e deixar as vias livres para facilitar o resgate das vítimas.

O diretor da Aeronáutica Civil Alfredo Bocanegra disse em entrevista à Telemedellín, canal local, que pediu para todos os envolvidos no resgate permanecerem nas buscas. "Nessas próximas horas é preciso um esforço sobre-humano. Uma só vida, vale a pena", disse, sobre o processo de resgate.

Chapecoense

O vice-presidente do Chapecoense Ivan Tozzo disse que, devido ao desencontro das notícias que chegam das mais diversas fontes jornalísticas, vai esperar o pronunciamento oficial das autoridades colombianas para emitir qualquer nota oficial sobre o acidente. A mensagem foi publicada na página do time no Facebook.

Aeronave

A aeronave Avro RJ85, de fabricação inglesa, da LAMIA BOLÍVIA estava em seu segundo voo do dia. Na primeira viagem, fez o trecho curto de cerca de 40 minutos, entre Cochabamba e Santa Cruz de la Sierra, ambas na Bolívia.

O segundo trecho, partindo de Santa Cruz, teria como destino a cidade de Medellín, na Colômbia, numa distância de cerca de 2.960 km. A mesma aeronave já havia sido utilizada para voos fretados do Chapecoense e carregava uma pintura especial com o símbolo do clube brasileiro.

Segundo a Aviation Safety Net, a aeronave tinha 17 anos e 8 meses e há três anos ela era utilizada pela companhia aérea boliviana. Segundo informações do sistema FlightRadar, a aeronave manteve uma rota dentro da esperada até a proximidade do aeroporto internacional José Maria Córdoba. A aeronave faz duas voltas no sentido anti-horário. A manobra é similar a feita por aeronaves quando estão aguardando autorização para aterrissar. Até este momento, ainda não há indícios de problemas no avião.

O último sinal da aeronave captado por receptores amadores foi às 2h55 na hora local. O avião estava viajando a 142 nós. Segundo o consultor em aviação Lito Sousa, ainda é cedo para dizer causas da queda do avião, mas a aeronave estava em velocidade baixa. "Essa velocidade só é compatível se ele estivesse muito próxima à pista do aeroporto", o que não era o caso.

O modelo Avro RJ85 já foi utilizado no Brasil pela regional TABA Amazônica, sob o nome de BAE-146.

Pernambucanos
Entre os ocupantes do avião da Chapecoense acidentado estavam os jogadores pernambucanos Everton Kempes, natural de Carpina e Cleber Santana, de Olinda.

Veja também

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde
Brasil

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU
EM EVENTO NO RECIFE

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU