Bala que matou João Pedro é do mesmo calibre de fuzil usado por policiais

João Pedro foi baleado e morto durante uma operação da Polícia Civil e da Polícia Federal no Complexo do Salgueiro

O jovem João Pedro é mais uma vítima da violência no RJO jovem João Pedro é mais uma vítima da violência no RJ - Foto: Reprodução/Twitter

A Polícia Civil do Rio de Janeiro identificou o calibre da arma que matou João Pedro Matos, 14, na última segunda-feira (18). O calibre 5,66 mm mostra que o menino foi atingido por um disparo de fuzil e o tiro pode ter partido de armas de policiais, já que é o mesmo calibre utilizado pela corporação.

João Pedro foi baleado e morto durante uma operação da Polícia Civil e da Polícia Federal no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio.

Familiares e amigos da vítima disseram que ele brincava no quintal da casa de um tio quando os policiais invadiram o imóvel e o atingiram na barriga. Já a Polícia Civil afirma que o menino foi atingido durante uma troca de tiros entre bandidos e policiais, sendo socorrido de helicóptero.

Leia também:
Casa onde menino de 14 anos foi morto tem cerca de 70 marcas de tiro
Adolescente de 14 anos morre durante operação das polícias Civil e Federal no Rio de Janeiro


O corpo do jovem só foi encontrado pela família 17 horas depois, no IML (Instituto Médio Legal). A delegacia de homicídios da Baixada Fluminense diz que a família do menino foi avisada sobre a morte no dia do socorro.

Allan Duarte, delegado e titular da Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), responsável pela investigação, disse acreditar que o caso será solucionado rapidamente. Na quinta-feira (21), o piloto e o comandante da aeronave que fizeram o resgate de João Pedro foram ouvidos na delegacia.

"[O piloto] esclareceu para a gente como foi feita a penetração do local, o socorro logístico do jovem. Também recebemos o laudo de projétil, a gente já tem o calibre dessa arma", afirmou o delegado.

Duarte ainda disse que o próximo passo da investigação é submeter a bala a exame de confronto balístico com o armamento apreendido com os policiais –dois fuzis de calibre 7,62 mm e um fuzil de 5,56 mm. O delegado indicou que pretende fazer uma reconstituição simulada e que ainda há mais pessoas para serem ouvidas durante a investigação.

"A investigação caminha, e a gente acredita que num período curto de tempo a gente consiga chegar a uma solução para o caso", pontuou Duarte.

A Câmara de Controle Externo da Atividade Policial e do Sistema Prisional do Ministério Público Federal (CCR) pediu à Polícia Federal do Rio de Janeiro os detalhes da operação que culminou na morte de João Pedro. A PF tem dez dias para responder a solicitação e informar se o menino foi socorrido ou transportado a alguma unidade de saúde por agentes da corporação e se houve autuação de procedimento interno para apurar as circunstâncias da morte.

Veja também

CPI ouve, na quinta, empresário que atuou informalmente na Saúde
Senado

CPI ouve, na quinta, empresário que atuou informalmente na Saúde

Citado em depoimentos sobre propina, coronel Blanco depõe à CPI nesta quarta
CPI

Citado em depoimentos sobre propina, coronel Blanco depõe à CPI nesta quarta