Bolsonaro admite erro e republica exoneração de diretor da PF sem assinatura de Moro

A demissão foi republicada em edição extra do Diário Oficial da União na noite desta sexta (24) sem o nome de Moro abaixo do de Bolsonaro

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro admitiu erro e retirou o nome de Sergio Moro da assinatura da medida de exoneração de Maurício Valeixo da diretoria-geral da Polícia Federal.

A demissão foi republicada em edição extra do Diário Oficial da União na noite desta sexta-feira (24) sem o nome de Moro abaixo do de Bolsonaro.

Na medida, é informado que o ato foi "republicado por ter constado incorreção quanto ao original". No lugar de Moro, são citados os nomes dos ministros Braga Netto (Casa Civil) e Jorge Oliveira (Secretaria-Geral da Presidência).

Leia também:
Minutos após fala de Bolsonaro, Moro nega ter negociado vaga no STF
Parlamentares pedem criação de CPI para investigar interferência de Bolsonaro na PF


O primeiro ato de exoneração foi publicado na madrugada como "a pedido" de Valeixo no Diário Oficial, com as assinaturas eletrônicas de Bolsonaro e de Moro.

Ao anunciar sua demissão, Moro afirmou que não assinou a medida e que soube de madrugada de sua publicação. Ainda segundo o ministro, Valeixo não pediu para ser exonerado, ao contrário do que informa o ato no Diário Oficial.

"Fiquei sabendo pelo Diário Oficial, não assinei esse decreto", disse o ministro. O agora ex-ministro declarou ainda que isso foi algo "ofensivo" e que "foi surpreendido". "Esse último ato foi uma sinalização de que o presidente me quer fora do cargo."

A Folha de S.Paulo antecipou na madrugada a informação de que o ministro não havia assinado o ato de exoneração de Valeixo e que o então diretor-geral da PF não havia pedido sua saída. O contexto da exoneração de Valeixo foi considerado decisivo para Moro bater o martelo de sua saída do governo.

No pronunciamento em que rebateu as declarações de Moro, Bolsonaro não esclareceu as razões pelas quais colocou o nome de Moro no Diário Oficial. Sobre Valeixo, afirmou que conversou na noite de quinta (23) com ele para comunicar da exoneração.

Pouco depois, Moro comentou o episódio em sua rede social. "De fato, o Diretor da PF Maurício Valeixo estava cansado de ser assediado desde agosto do ano passado pelo presidente para ser substituído. Mas, ontem, não houve qualquer pedido de demissão, nem o decreto de exoneração passou por mim ou me foi informado", disse o ex-ministro.

Na retificação da medida, Bolsonaro manteve o caráter "a pedido" da exoneração do chefe da PF.

Veja também

Braga Netto prega união contra iniciativas de desestabilização
Política

Braga Netto prega união contra iniciativas de desestabilização

Intenção de consumo das famílias volta a cair em abril
CNC

Intenção de consumo das famílias volta a cair em abril