A-A+

Bolsonaro afirma que atos a favor de reformas impopulares foram históricos

As manifestações ocorreram no domingo (26) em mais de 140 cidades do país

Manifestação a favor do governo BolsonaroManifestação a favor do governo Bolsonaro - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta segunda-feira (27) que as manifestações do dia anterior em defesa de seu governo e de pautas como a reforma da Previdência foram significativas e históricas.

"O que vimos ontem [domingo] foi extremamente significativo e histórico. Não podemos ignorar", escreveu o presidente em redes sociais.

Ao fazer a afirmação, Bolsonaro disse que as manifestações ocorreram em meio a "desinformação e falta de apoio de diversos setores", sem fazer menções diretas -na prática, houve rachas em grupos de direita e no próprio partido do presidente.

Em uma sequência de três postagens no Twitter, Bolsonaro destacou ainda o fato de os atos terem entre entre as pautas a defesa da agenda de reformas do governo, em especial a da Previdência."Quando imaginaríamos uma manifestação expressiva a favor de reformas consideradas impopulares? A população mostrou-se extremamente consciente. A peculiaridade deste evento torna injustificável qualquer tentativa de minimizá-lo", escreveu.

Leia também:
Bolsonaro cobra centrão e diz que exagerou ao chamar alunos de 'idiotas úteis'
Governo pretende gastar R$ 7 mi em carros para família de Bolsonaro e de Mourão

Bolsonaro aproveitou as publicações para fazer críticas à esquerda."Devemos considerar que não há no país outro movimento com estrutura tão sólida e organizada quanto a esquerda que por décadas ocupou espaços e aparelhou instituições para chegar onde chegou. Conseguir o mesmo espontaneamente, inspirando-se apenas no bem comum, supera tudo isso", escreveu.

Manifestações
No domingo (26), com a direita rachada, as manifestações pró-governo Bolsonaro realizadas pelo país exaltaram projetos encampados pelos ministros Sergio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia) e concentraram críticas não só no centrão, alvo já esperado, como no presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Os atos foram impulsionados pelo próprio Bolsonaro, que, apesar das recomendações de integrantes do governo para que mantivesse distanciamento, estimulou a mobilização ao espalhar imagens em redes sociais e dizer que ela era um "recado àqueles que teimam com velhas práticas".

Ao levar milhares de pessoas às ruas em ao menos 140 cidades, as manifestações superaram a expectativa de aliados do governo em meio ao racha de grupos de direita e ao temor de fracasso devido ao desgaste popular de Bolsonaro nos primeiros meses de mandato.

Veja também

Capes lança edital para projetos sobre impactos da pandemia
Pesquisa

Capes lança edital para projetos sobre impactos da pandemia

Saiba o que é o haboob, tempestade de poeira que 'engoliu' cidades no interior de SP
Tempestade

Saiba o que é o haboob, tempestade de poeira que 'engoliu' cidades no interior de SP