Bolsonaro divulga vídeo editado e distorce pergunta da Folha sobre agenda oficial

O presidente afirma estar com vergonha da Folha de S.Paulo

Após o pronunciamento do porta-voz, Bolsonaro falou com a imprensa após sair do Palácio da AlvoradaApós o pronunciamento do porta-voz, Bolsonaro falou com a imprensa após sair do Palácio da Alvorada - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (30) estar com "vergonha" da Folha de S.Paulo, ao publicar em rede social um vídeo editado de uma pergunta do jornal ao seu porta-voz, general Otávio Rêgo Barros.

O trecho do vídeo divulgado está editado. A pergunta feita pelo repórter Gustavo Uribe tratava do cancelamento de última hora por parte de Bolsonaro de uma audiência com o ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian.

Na entrevista aos jornalistas nesta segunda (29), Rêgo Barros afirmou que o encontro, previsto na agenda oficial do presidente, foi cancelado por causa de um "aperto" na agenda dele. Por volta do mesmo horário da reunião que teria com o ministro francês, Bolsonaro apareceu em uma live nas redes sociais cortando o cabelo.

Leia também:
Presidente do Itaú avalia que declarações de Bolsonaro não atrapalham reforma
'Pergunta para as vítimas que morreram o que acham', diz Bolsonaro sobre massacre no Pará
Família de Fernando Santa Cruz vai à PGR cobrar explicações de Bolsonaro
 

O vídeo publicado por Bolsonaro omite esse contexto e exclui as explicações do porta-voz e as perguntas feitas anteriormente por outros jornalistas sobre o assunto. "Confesso, estou com vergonha da Folha de São Paulo", disse o presidente na postagem desta terça-feira.

O tema foi o primeiro a ser abordada na entrevista de Rêgo Barros. Ele foi questionado pelo jornal Valor Econômico se o corte de cabelo tinha relação com o cancelamento da agenda.

"O ministro se reuniu na parte da manhã com o chanceler brasileiro Ernesto Araújo. O tema principal da reunião foi o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. Em função do estabelecimento dessa reunião no mesmo nível, o presidente decidiu, em razão de outras agendas, declinar de receber esse ministro aqui", disse o porta-voz da Presidência.

A questão também foi abordada pelo jornal O Globo, que perguntou ao porta-voz que outra agenda pública teria o presidente para cancelar o encontro com o francês.

"A decisão do senhor presidente da República em função do aperto de agenda foi de não receber o ministro de negócios da França. E como ele já havia sido recebido por seu contraparte no Brasil, o ministro Ernesto Aráujo, então, entendeu-se que havia sido atendia a solicitação de agenda por parte daquele ministro", disse o general da reserva.

Ele afirmou ainda que as agendas presidenciais foram "se somando" e "se completando". "Em função disso, o tempo se tornou escasso. Então, o presidente decidiu não receber o ministro", afirmou.

Inicialmente, a Folha perguntou ao porta-voz se Bolsonaro tinha provas de que o jornalista Glenn Greenwald tivesse participação no hackeamento de celulares de autoridades, uma vez que, no final de semana, ele havia afirmado que ele "poderia pegar uma cana".

Depois, insistiu na questão do cancelamento da agenda presidencial, perguntando ao porta-voz como Bolsonaro ocorreu um "aperto na agenda" se ele, na sequência, teve tempo para cortar o cabelo.

A Folha de S.Paulo também questionou se não seria adequado ele esperar o fim do expediente administrativo para uma atividade pessoal.

"O presidente expressa as suas opiniões a partir do conhecimento que ele recebe. Não me adiantou, no caso especifico, qualquer informação com relação a possuir ou não possuir a informação sobre isso", respondeu o porta-voz.

"Com relação à questão de cortar o cabelo, o presidente começa a trabalhar às 4h e termina o seu trabalho 0h. Há de se admitir que é necessário, em algum momento das 4h até 0h, ele encontrar a possibilidade de cortar o seu cabelo", acrescentou. 

Leia íntegra de perguntas e respostas sobre o tema 
PORTA-VOZ - Às 15h, audiência com o ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros da República Francesa foi cancelada em razão da agenda do senhor presidente da República.

CARLA ARAÚJO (Valor Econômico) - Boa tarde, porta-voz. Carla Araújo, do Valor. Tem uma série de questões hoje, mas eu vou dividir. Primeiro, eu só queria entender o cancelamento com o ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros da República Francesa. O senhor disse que foi em razão da agenda do presidente. Num horário similar, próximo ali, o presidente fez uma live cortando o cabelo. Queria saber se teve alguma relação ou se teve algum outro compromisso que o presidente teve que adiar com o ministro da Europa.

PORTA-VOZ - Eu posso complementar no tocante a esse assunto. O ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros da República Francesa, que é o Jean-Yves Le Drian, reuniu-se na parte da manhã com o chanceler brasileiro Ernesto Araújo. O tema principal da reunião foi o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia. Em função do estabelecimento dessa reunião no mesmo nível, o presidente declarou e decidiu, em razão de outras agendas, declinar de receber este ministro aqui.

CARLA ARAÚJO (Valor Econômico) - Tá, mas não teve nada a ver com o corte de cabelo em si?

PORTA-VOZ - Não, absolutamente.

CARLA ARAÚJO (Valor Econômico) - Tá

JUSSARA SOARES (O Globo) - Boa tarde, porta-voz. Jussara Soares, repórter do jornal O Globo. Porta-voz, eu queria insistir na pergunta aqui da minha colega sobre o cancelamento com o ministro. O senhor fala que são problemas de agenda. Mas que outra agenda ele tinha nesse momento? Eu queria saber se o senhor poderia esclarecer que agenda é essa.

PORTA-VOZ - A decisão do senhor presidente da República em função do aperto de agenda foi de não receber o ministro de Negócios da França. E como ele já havia sido recebido por seu contraparte aqui no Brasil, que é o ministro Ernesto. Então, entendeu-se que havia sido atendida a solicitação de agenda por parte daquele ministro.

JUSSARA SOARES (O Globo) - Então, não teve uma outra agenda no lugar. Não foi uma substituição de agenda.

PORTA-VOZ - Não, as agendas foram se somando, se completando. Em função disso, o tempo se tornou escasso. Então, o presidente decidiu não receber o ministro.

GUSTAVO URIBE (Folha) - Porta-voz, Gustavo Uribe, da Folha de S.Paulo. Duas questões. A primeira é em relação ao Glenn novamente. O presidente tem alguma prova de que o Glenn tenha participado, enfim, desse processo de hackeamento dos celulares dos ministros? E a segunda pergunta. Se havia um aperto na agenda, como o presidente teve tempo de cortar o cabelo e se não seria adequado ele esperar o fim do expediente para uma atividade de caráter pessoal.

PORTA-VOZ - A primeira pergunta?

GUSTAVO URIBE (Folha) - Se ele tem uma prova sobre o Glenn.

PORTA-VOZ - O presidente expressa as suas opiniões a partir do conhecimento que ele recebe. Não me adiantou, no caso específico, qualquer informação com relação a possuir ou não possuir a informação sobre isso. Com relação à questão de cortar o cabelo, o presidente começa a trabalhar às 4h e termina o seu trabalho meia-noite. Há de se admitir que é necessário, em algum momento das 4h à meia-noite, ele encontrar a possibilidade de cortar o seu cabelo.

Veja também

Brasil notifica 33.281 casos e 869 óbitos por Covid-19 nas últimas 24h
CORONAVIRUS

Brasil notifica 33.281 casos e 869 óbitos nas últimas 24h

SUS abre consulta pública sobre uso de medicamento para o coração
Saúde

SUS abre consulta pública sobre uso de medicamento para o coração