A-A+

Bolsonaro diz a STF que não cometeu ato ilícito ao chamar Glenn de malandro

Em julho do ano passado, o presidente afirmou que o norte-americano não seria atingido por uma portaria que previa a expulsão de 'pessoas perigosas do Brasil'

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Alan Santos/PR

Mais de um mês depois de ser notificado, o presidente Jair Bolsonaro respondeu a uma interpelação do jornalista Glenn Greenwald, do site The Interpect Brasil, afirmando que não cometeu ilícitos ao chamá-lo de "malandro" por adotar crianças brasileiras.

Em julho do ano passado, o presidente afirmou que o norte-americano não seria atingido por uma portaria que previa a expulsão de "pessoas perigosas do Brasil". E completou: "Até porque ele é casado com outro homem e tem meninos adotados no Brasil. Malandro para evitar um problema desse [a expulsão do país] casa com outro malandro ou adota criança no Brasil".

A ministra Rosa Weber, sorteada para analisar a interpelação, citou Bolsonaro para que, de acordo com a lei, ele esclareça "expressões caracterizadas por dubiedade, equivocidade ou ambiguidade".

Leia também:
Conflito sobre juiz das garantias no STF é obstáculo em pauta de Toffoli
Denúncia contra Glenn é problemática e perigosa, diz Marco Aurélio, do STF

Em sua manifestação, o presidente afirmou entrar tranquilo pois de suas declarações "não se pode inferir a imputação de qualquer crime, tampouco o intuito de ofender a honra alheia, motivo pelo qual não devo responder por quaisquer das condutas previstas" na lei, como injuria ou difamação.

Bolsonaro afirmou ainda que o discurso que fez é político, "sem qualquer conteúdo ilícito, o qual não se enquadra em qualquer conduta prevista no Código Penal".
O presidente disse ainda que fez as declarações baseado no direito constitucional de livre manifestação do pensamento.

Veja também

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente
Brasil

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI