Brasil

Bolsonaro diz achar que desemprego é maior que o registrado pelo IBGE

Em discurso, durante evento no Palácio do Planalto, Bolsonaro afirmou que acha que o número atual de pessoas sem emprego no país é superior a 12 milhões

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: EVARISTO SA / AFP

No dia em que foi divulgado que a taxa de subutilização da força de trabalho bateu recorde, o presidente Jair Bolsonaro voltou a questionar nesta terça-feira (30) a metodologia adotada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e disse acreditar que a taxa de desemprego no país é maior do que a divulgada.

Em discurso, durante evento no Palácio do Planalto, ele afirmou que acha que o número atual de pessoas sem emprego no país é superior a 12 milhões. A pesquisa divulgada nesta terça mostrou que, ao todo, 13,4 milhões de brasileiros procuravam emprego no primeiro trimestre.

"Se fala em 12 milhões de desempregados. Sim, eu acho que é muito mais que isso. Desculpe o IBGE, mas eu acho que é muito mais do que isso. Não vou polemizar novamente", disse.

Mais tarde, em entrevista à imprensa, ele ressaltou que não pretende entrar em nova briga com o IBGE. Em novembro, sem ainda ter assumido o cargo, o presidente chamou a pesquisa de "farsa" por considerar como empregadas pessoas que de fato não estariam ocupadas.

Leia também:
Após reunião sobre Venezuela, Bolsonaro encoraja apoio a Guaidó
Em entrevista, Bolsonaro defende troca de patrono da educação

"Não vou entrar em briga com o IBGE, mas acho que a metodologia poderia ser aperfeiçoada, com todo respeito que a gente tem com o trabalho do IBGE", afirmou nesta terça.

Segundo o IBGE, a taxa de subutilização da força de trabalho brasileira chegou a 25% no primeiro trimestre de 2019. Isso significa que 28,3 milhões de brasileiros não trabalharam ou trabalharam menos do que gostariam no período.

É o maior índice desde o início da série histórica da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) Contínua, iniciada em 2012. Na comparação com o trimestre encerrado em dezembro, houve alta de 5,6%, ou 1,5 milhão de pessoas.

No primeiro trimestre sob o governo Bolsonaro, a taxa de desemprego no país foi de 12,7%, alta de 10,2% com relação ao trimestre encerrado em dezembro. Nos últimos três meses, 1,2 milhão de pessoas a mais passaram a procurar emprego no país.

O número de empregados com carteira assinada no país permanece estável por quatro trimestres, em torno de 33 milhões de pessoas. A última vez em que houve crescimento no número de empregados com carteira na comparação com o trimestre anterior foi no segundo trimestre de 2014.

Veja também

"Problema localizado", diz Lewandowski sobre fuga de presos em Mossoró
Mossoró

"Problema localizado", diz Lewandowski sobre fuga de presos

Sábado de Carnaval: polícia prende homem com 452 cartões no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo
SAMBÓDROMO

Sábado de Carnaval: polícia prende homem com 452 cartões no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo