Bolsonaro diz que Doria 'mamou' em governos do PT

Bolsonaro se referia à compra de um avião com empréstimo do BNDES por uma empresa de Doria

Governador de São Paulo, João DoriaGovernador de São Paulo, João Doria - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Em sua "live" desta quinta (29), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) alfinetou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e disse que ele "mamou" em governos do PT.

"João Doria comprou também. Explica isso aí. Só peixe. Amigão do Lula, da Dilma.Eu vejo o Doria falando de vez em quando 'minha bandeira jamais será vermelha'. É brincadeira! Quando estava mamando lá a bandeira era vermelha com um foiçasso e um martelo sem problema nenhum, né? Ihuuuu, tá ok?", disse.

Bolsonaro se referia à compra de um avião com empréstimo do BNDES por uma empresa de Doria.

A empresa Doria Administração de Bens, do governador paulista, é uma das 134 citadas na lista divulgada pelo BNDES, com um empréstimo de R$ 44 milhões. Ao todo, as companhias tomaram R$ 1,9 bilhão em juros subsidiados para a compra de jatos executivos.

Leia também:
Doria aproveita fritura feita por Bolsonaro e tenta atrair Moro
Em esforço para negar desgaste, Bolsonaro chama Moro de 'patrimônio nacional' 

Por meio de nota, o Palácio dos Bandeirantes descartou qualquer problema com as operações da empresa do governador paulista junto ao BNDES.

"A Embraer vendeu mais de 135 jatos executivos e comerciais para empresas brasileiras e estrangeiras com financiamento do BNDES, gerando empregos e impostos para o Brasil. Nada de errado nisto."

Quando da divulgação da lista, Doria, em postagem nas redes sociais, classificou como "oportunismo" a associação de empréstimo tomado por sua empresa a "algo errado".​

Veja também

Antes de colapso, White Martins pediu sucesso transporte de oxigênio a assessores de Pazuello
Manaus

Antes de colapso, White Martins pediu sucesso transporte de oxigênio a assessores de Pazuello

Pfizer confirma que governo rejeitou oferta de 70 milhões de doses de vacinas
Coronavírus

Pfizer confirma que governo rejeitou oferta de 70 milhões de doses de vacinas