A-A+

Bolsonaro pediu que BB abrisse agência em cidade do MA onde foi mais votado

Segundo o IBGE, a cidade de São Pedro dos Crentes (MA) tem pouco mais de 4.500 habitantes

Banco do Brasil  Banco do Brasil  - Foto: Arquivo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta terça-feira (30) que pediu ao Banco do Brasil que abrisse uma agência na única cidade do Maranhão que o elegeu.

O banco, controlado pela União, tem ações negociadas na Bolsa de Valores e, por isso, tem sócios privados.

Em evento nesta terça-feira, Bolsonaro admitiu ter feito o pedido de instalação de uma agência no pequeno município de São Pedro dos Crentes (MA) diretamente ao presidente do banco, Rubem Novaes.

Leia também:
Lucro líquido do Banco do Brasil chega a R$ 12,8 bilhões
Banco do Brasil permite pagamento de IPVA pelo WhatsApp 

Segundo o IBGE, a cidade tem pouco mais de 4.500 habitantes.

A falta de uma agência bancária e de calçamento da via principal da cidade foi alvo de reportagem do jornal Folha de S.Paulo.

Bolsonaro disse que telefonou a Novaes e solicitou a agência.

"Liguei para o presidente do Banco do Brasil e perguntei se ele tinha no plano social dele a implantação de microagências nesses locais. Ele disse que não existe. Então eu solicitei 'existe a possibilidade de colocar uma agencia lá?' E ele já botou", afirmou o presidente. "Ficamos felizes com isso, atende o município que tem menos de 2 mil eleitores. Mas o que buscamos não é quantidade é qualidade."

As tecnologias têm alterado a atividade bancária e vem provocando uma redução no número de agências pelos bancos. No ano passado, a Caixa anunciou a intenção de fechar agências consideradas insustentáveis.

A revelação de Bolsonaro ocorreu um dia depois de o presidente apelar publicamente ao Banco do Brasil para baixar a taxa de juros.

O presidente aproveitou o evento, para o lançamento de uma medida provisória batizada pelo governo de MP da Liberdade Econômica, para desabafar contra os críticos. Ele disse que não tem poder para interferir na taxa de juros praticada pelo BB.

Segundo Bolsonaro, ao propor a redução dos juros para o setor agropecuário, fez apenas um apelo.

"Faltou complementar. Sem a complementação, fui massacrado por grande parte da mídia. Não posso esquecer nada, tenho de ser mais do que perfeito, tenho de ser sublime, senão tudo dá errado", disse.

O presidente ressaltou que apenas dá sugestões aos auxiliares do governo e que "cada um cumpre se achar que deve cumprir".

"Ontem, na Agrishow, eu apelei para o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, para o seu espírito patriótico, conservador e cristão, que atenda os ruralistas no tocante das taxas de juros", disse.

Na semana passada, Bolsonaro também pediu ao presidente da instituição financeira para tirar do ar uma propaganda que abordava a diversidade racial e sexual no Brasil.

O Ministério Público pediu ao TCU (Tribunal de Contas da União) que apure se houve prejuízos ao Banco do Brasil a decisão de vetar o anúncio televisivo.

Veja também

Bolsonaro pinta na ONU retrato distorcido do Brasil em discurso para base radical
ONU

Bolsonaro pinta na ONU retrato distorcido do Brasil em discurso para base radical

Bolsonaro se encontra com presidente polonês ultraconservador, Andrzej Duda
Assembleia-Geral da ONU

Bolsonaro se encontra com presidente polonês ultraconservador, Andrzej Duda