Bolsonaro pode viajar a países árabes ainda no primeiro semestre, diz chanceler

No mundo árabe, os principais parceiros comerciais do Brasil são Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Argélia e Omã

Ernesto AraújoErnesto Araújo - Foto: José Cruz/Agência Brasil

O ministério das Relações Exteriores está preparando uma agenda de visitas do presidente Jair Bolsonaro a países árabes que pode ser realizada ainda no primeiro semestre, informou nesta quinta-feira (4) o chanceler Ernesto Araújo.

"Temos a intenção de preparar visitas presidenciais a países-chave daquela região", disse Araújo, quando perguntado pelo senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) se o presidente da República planejava realizar visitas oficiais a nações árabes.

Araújo, que participou nesta quinta de uma audiência na Comissão de Relações Exteriores do Senado, não adiantou quais países seriam visitados, mas disse que a intenção é passar por nações que sejam os "principais parceiros" do Brasil. Destacando que a agenda ainda não está fechada, ele citou a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos como destinos que podem estar no roteiro da viagem.

No mundo árabe, os principais parceiros comerciais do Brasil são Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Argélia e Omã.

A política de aproximação do governo Bolsonaro com Israel tem gerado desconforto entre as nações árabes, grandes importadoras de proteína animal brasileira e que, na sua maioria, se alinham ao pleito dos palestinos na disputa territorial com os israelense.

Leia também:
'Página virada', diz Flávio Bolsonaro sobre publicação contra o Hamas
Brasil de Bolsonaro gera expectativas no mercado internacional de armas 

Durante sua visita oficial a Israel no início desta semana, Bolsonaro anunciou a abertura de um escritório comercial do Brasil em Jerusalém.

Embora seja um recuo em relação à promessa de Bolsonaro durante a campanha, de transferir a embaixada brasileira para a cidade disputada entre israelenses e palestinos, o gesto incomodou países árabes.

Tanto a Autoridade Palestina quanto o movimento radical islâmico Hamas criticaram a abertura do escritório comercial em Jerusalém.

A maior preocupação, principalmente do setor do agronegócio, é que o alinhamento a Israel no conflito do Oriente Médio gere retaliações dos países e consumidores árabes de carne brasileira.

Entre as nações árabes, o governo Bolsonaro tem se aproximado especialmente dos Emirados Árabes Unidos.

Em 15 de março, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional dos Emirados Árabes Unidos, xeique Abdullah bin Zayed Al Nahyan, viajou a Brasília e se reuniu tanto com o chanceler Araújo quanto com o presidente Bolsonaro.

Internamente no Itamaraty, a proximidade entre o governo Bolsonaro e os Emirados Árabes Unidos tem sido utilizada para rebater as críticas de que a política de aproximação com Israel pode gerar prejuízos na relação do Brasil com os países árabes. O governo também está interessado nos investimentos que o país do Golfo Pérsico pode aportar no Brasil.

Os Emirados Árabes, por sua vez, são adversários históricos do Irã e têm pressionado o Brasil a adotar uma postura mais crítica aos iranianos nos fóruns internacionais.

Veja também

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos
Saúde

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos

Quatro pessoas morrem após acidente entre lanchas em Angra dos Reis
Rio de Janeiro

Quatro pessoas morrem após acidente entre lanchas em Angra dos Reis