Bolsonaro proporá alteração na sistema de votação eleitoral

Durante sua fala na Cúpula Conservadora das Américas, via Skype, Bolsonaro disse que o número de votos que recebeu deveria ter sido maior

Presidente eleito, Jair BolsonaroPresidente eleito, Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução/Instagram

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse neste sábado (8) que proporá ao Congresso Nacional uma mudança no sistema de votação brasileiro já no primeiro semestre de 2019. Ao participar, por teleconferência, da Cúpula Conservadora das Américas, Bolsonaro disse que o número de votos que recebeu nas eleições deste ano deveria ter sido maior.

“Nós pretendemos votar no primeiro semestre uma boa proposta de sistema de votação no Brasil. Porque eu e muitos entendem que nós conseguimos a vitória porque tínhamos muitos, mas muitos mais votos do que eles [PT], e tivemos uma situação parecida, de um certo equilíbrio”, argumentou.

Sem explicar o projeto, Bolsonaro disse que o objetivo é aperfeiçoar o sistema eleitoral no país. "Não estou aqui fazendo uma afirmativa. A desconfiança da possibilidade de fraude é uma coisa na cabeça de muita gente aqui no Brasil. Não é porque nós ganhamos agora que devemos confiar nesse processo de votação. Queremos é aperfeiçoar. Na verdade, nós temos sempre que nos aperfeiçoar porque eles [oposição] não dormem no ponto. Eles não perdem por esperar para mudar o destino do nosso Brasil”, disse.

Leia também:
OEA elogia sistema eleitoral do Brasil
TSE aprova com ressalvas contas de campanha de Bolsonaro
Fachin pede vista e TSE adia decisão sobre ação contra Bolsonaro e dono da Havan
PT poderia dizer que perdeu porque Bolsonaro teve mais votos
Eleições têm recorde de mulheres eleitas para o Congresso americano


O presidente eleito justificou as críticas ao sistema eleitoral ressaltando que “o que está em jogo não é o sucesso ou o fracasso" do seu mandato, mas "o fracasso ou o sucesso do Brasil". "E o que está em jogo é a nossa liberdade. Nós sabemos das armas que eles usam para atingir o seu objetivo", declarou.

"Ou mudamos agora o Brasil, ou o PT volta, com muito mais força do que tinha no final do governo Dilma Rousseff. Então, há uma preocupação sim, por parte de muita gente, por parte de outros partidos", completou.

Veja também

Vitória contra a Colômbia cria "casca" para a seleção brasileira, diz Tite
Copa América

Vitória contra a Colômbia cria "casca" para a seleção brasileira, diz Tite

Kleber Mendonça Filho integra o júri do Festival de Cannes
Cinema

Kleber Mendonça Filho integra o júri do Festival de Cannes