Bolsonaro sanciona sem vetos novo marco das telecomunicações

Os contratos de concessão foram definidos pela União durante a privatização, há mais de duas décadas

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro sancionou sem vetos, na noite de quinta-feira (3), o projeto de lei que modifica o marco das telecomunicações vigente desde 1997.
A medida foi publicada na edição de sexta-feira (4) do "Diário Oficial da União" e havia sido aprovada pelo Congresso Nacional em setembro.

O projeto tramitava havia quase três anos no Poder Legislativo e prevê a possibilidade de as operadoras de telefonia migrarem dos atuais contratos de concessão para termos de autorização, como funciona na telefonia celular.

Os contratos de concessão foram definidos pela União durante a privatização, há mais de duas décadas. As autorizações são concedidas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para todas as empresas interessadas em prestar serviços de telefonia móvel e internet.

O modelo de concessão entrou em desuso com o avanço da internet, o que torna esses contratos desinteressantes para o setor privado.

Por isso, o governo vinha estudando mudar as regras para estimular uma nova rodada de investimentos no setor decorrente da possibilidade de migração da concessão para
autorização.

Leia também:
Bolsonaro critica disque-denúncia contra Força Nacional
Para Bolsonaro, Justiça não deve validar mensagens obtidas ilegalmente

Com a medida, as concessionárias de telefonia fixa poderão migrar antecipadamente dos atuais contratos de concessão para termos de autorização, pagando um valor a ser definido pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Estimativas feitas pela equipe econômica indicam algo em torno de R$ 34 bilhões.

A mudança é uma ajuda para a Oi, maior concessionária de telefonia fixa do país que esta em recuperação judicial com uma dúvida de cerca de R$ 20 bilhões, considerando o plano de descontos e alongamento dos pagamentos a credores aprovado pela Justiça.

Sem as amarras definidas pelos atuais contratos de concessão, a tele terá chance de atrair um comprador ou novos investidores. Os chineses e a americana AT&T são os mais interessados.

Veja também

Covid-19: Brasil tem 140 mil mortes e 4,68 milhões de casos acumulados
boletim

Covid-19: Brasil tem 140 mil mortes e 4,68 milhões de casos acumulados

Justiça mantém obrigação para Flordelis usar tornozeleira eletrônica

Justiça mantém obrigação para Flordelis usar tornozeleira eletrônica