Brasil começa a construir satélite 100% nacional

Satélite poderá ser usado para monitoramento da agricultura e da pecuária em locais afastados, o controle de frotas de ônibus escolares e até mapas de calor

Lançamento de satélite brasileiroLançamento de satélite brasileiro - Foto: Reprodução/TV NBr

Começará a ser desenvolvido a partir desta segunda-feira (21) o projeto-piloto do primeiro satélite 100% feito pela indústria nacional. Com a assinatura do contrato para o projeto, em Florianópolis (SC), a unidade Embrapii Instituto Senai de Inovação e a empresa Visiona Tecnologia Espacial iniciarão o desenvolvimento de um programa orçado em R$ 7,8 milhões, dos quais R$ 2,6 milhões serão financiados sem reembolso pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

O objetivo é colocar o satélite em órbita a partir de 18 meses, após o desenvolvimento do segmento espacial e do sistema de terra -com estação para controle e rastreio do satélite-, e utilizá-lo para experiências a partir da coleta de dados e imagens.

Além de o país avançar na indústria espacial, entre as possibilidades estão o monitoramento da agricultura e da pecuária em locais afastados, o controle de frotas de ônibus escolares e até mapas de calor para definir a distribuição de unidades de ensino em determinado lugar.

Leia também:
Coreia do Norte prepara lançamento de satélite
Primeiro satélite brasileiro inicia operações e fica sob responsabilidade da FAB


De acordo com Pierre Mattei, diretor de inovação do Senai de Santa Catarina, com o projeto o país poderá avançar em seu nível de maturidade para as tecnologias que faltam ao Brasil."É um projeto absolutamente estratégico, vai permitir geração de empregos e produtos de alto valor agregado, que vão gerar impostos", afirmou.

O satélite será o primeiro a ser desenvolvido pela indústria, mas outros do gênero já foram feitos no país, segundo ele."Temos alguns 100% nacionais feitos por universidades, mas a indústria nunca lançou um satélite completo, feito totalmente pela indústria nacional", disse.

A intenção é desenvolver um satélite de pequenas dimensões que atinja 600 km de altitude -considerada baixa- e tenha peso de 11 quilos.

Sem foguete

Um empecilho para definir a data exata do lançamento é o fato de o Brasil não dispor de um foguete lançador. "Vamos olhar no mundo quais foguetes serão lançados em 18 meses, verificar um disponível e aí o contratamos, a partir da altura e formato que desejamos", afirmou Mattei.

Diretor-presidente da Embrapii, Jorge Almeida Guimarães disse que o satélite terá enorme importância para a agricultura de precisão e para as cidades inteligentes."Muitos setores serão beneficiados com esse tipo de atividade. Esse projeto fazia muita falta, pois o Brasil precisa desenvolver seus próprios satélites", disse.

A Embrapii está em seu quarto ano de operação e prevê ultrapassar nos próximos quatro meses o montante de R$ 1 bilhão aplicados em inovação. Em 2015, eram 10 as empresas beneficiadas e, hoje, são 340. "Passamos de 9 projetos para 470, e de R$ 10 milhões para R$ 740 milhões aplicados no período", afirmou.

Veja também

Covid-19: mesmo com atraso, segunda dose da vacina deve ser tomada
Saúde

Covid-19: mesmo com atraso, segunda dose da vacina deve ser tomada

Lira diz que MP da privatização da Eletrobras será votada amanhã
Privatizações

Lira diz que MP da privatização da Eletrobras será votada amanhã