Câmara aprova MP do Fies e impede que estudante fique com 'nome sujo'

A MP tem ainda que ser votada pelo Senado e passar pela sanção do presidente Michel Temer

André Ferreira (PSC) e Romildo GomesAndré Ferreira (PSC) e Romildo Gomes - Foto: Divulgação

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta terça-feira (8) a medida provisória 741/2016, que repassa às instituições de ensino despesas bancárias do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).

Devido à pressão de partidos de esquerda, que ameaçavam barrar a votação, foram retirados do texto artigos que permitiam ao governo inscrever estudantes inadimplentes no Cadin (o cadastro de créditos não quitados do setor público federal) e na Dívida Ativa da União. A inscrição nesses cadastros leva a pessoa a ser alvo de medidas de cobrança via judicial e a impossibilita de ações como abrir contas e tomar empréstimos na rede bancária.

A MP tem ainda que ser votada pelo Senado e passar pela sanção do presidente Michel Temer. A medida provisória estabelece que parte da remuneração aos bancos, o equivalente às taxas administrativas, seja custeada pelas instituições de ensino. Antes, era o governo quem arcava com essas despesas - por ano, esse custo é estimado em cerca de R$ 400 milhões. Pelo texto, o valor a ser pago mensalmente será de 2% sobre o saldo do crédito liberado às instituições de ensino.

Veja também

Traficantes de fósseis encontrados no Ceará são alvo de operação da PF
Investigação

Traficantes de fósseis encontrados no Ceará são alvo de operação da PF

Contratação de temporários para fim de ano será tímida
Comércio

Contratação de temporários para fim de ano será tímida