A-A+

Carlos me pôs na Presidência e deveria ser ministro, diz Bolsonaro sobre filho

Muito próximo ao pai, Carlos Bolsonaro é vereador no Rio de Janeiro pelo PSC e foi o responsável pela estratégia de comunicação nas redes durante a campanha eleitoral

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Evaristo Sa/AFP

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) admitiu a participação do filho Carlos Bolsonaro na operação de suas redes sociais, defendeu-o de críticas e acha que ele deveria ter um cargo de ministro em seu governo.

"Ah, o pitbull? Tá atrapalhando o quê? Não me atrapalhou em nada. Acho até que devia ter um cargo de ministro. Ele que me botou aqui. Foi realmente a mídia dele que me botou aqui. E ele não tá pleiteando cargo de ministro. Poderia botá-lo, mas não pleiteando isso aí", disse o presidente durante entrevista à Rádio Jovem Pan, na qual falou sobre os cem primeiros dias de seu governo.

"Twitter, Facebook e Instagram não tomam nem 30 minutos do dia. Quem realmente me ajuda nessa coordenação é o Carlos Bolsonaro. Por isso muita gente quer afastá-lo de mim", reforçou o presidente.

Muito próximo ao pai, Carlos Bolsonaro é vereador no Rio de Janeiro pelo PSC e foi o responsável pela estratégia de comunicação nas redes durante a campanha eleitoral. No período de transição, Bolsonaro chegou a cogitar a recriação da Secretaria de Comunicação Social e a nomeação do vereador para chefiá-la.

Leia também:
Bolsonaro sanciona lei do novo Cadastro Positivo
Bolsonaro corrige formação de ministro da Educação após anunciá-lo como doutor 

Devido a críticas, o então presidente eleito desistiu da ideia e manteve a Secom subordinada à Secretaria-Geral da Presidência -que começou o governo Bolsonaro tendo como titular Gustavo Bebianno, braço direito de Bolsonaro na campanha e desafeto do filho.

À época, Carlos reagiu dizendo que estava se afastando da gestão das redes sociais do pai para retomar a atividade como vereador no Rio de Janeiro. E disparou contra a imprensa.

"Já falei que não aceitarei Ministério ou Secretaria com status de, mesmo que tal situação seja permitida por lei. Repito novamente e novamente...Sigo meu trabalho sem problema algum no Rio. O resto das especulações é desconhecimento ou mau caratismo mesmo. Fim da história!", escreveu. Logo depois, reforçou: "Grande parte da imprensa não passa de um monte de lixo manipulador!"

O afastamento, contudo, durou pouco, e Carlos voltou a ter participação ativa nas redes sociais do pai, ajudando na estratégia de comunicação sobre a reforma da Previdência.

Em fevereiro, Carlos Bolsonaro teve participação direta no episódio que levou à demissão de Bebianno, envolvido no escândalo dos laranjas do PSL. O vereador afirmou que o ex-ministro mentiu quando disse que tinha falado com o pai –o ataque foi endossado pelo próprio presidente.

A presença e influência de Carlos junto a Bolsonaro ainda é alvo de questionamentos dentro do governo e junto a aliados. Mas o presidente dá novos sinais de que não pretende restringir essa atividade.

Veja também

MTST e frente Povo Sem Medo ocupam prédio da Bolsa de Valores de SP em protesto contra a fome
Brasil

MTST e frente Povo Sem Medo ocupam prédio da Bolsa de Valores de SP em protesto contra a fome

Sem vacina, três irmãos morrem em decorrência da Covid-19 em SC
Coronavírus

Sem vacina, três irmãos morrem em decorrência da Covid-19 em SC