Brasil

Carlos me pôs na Presidência e deveria ser ministro, diz Bolsonaro sobre filho

Muito próximo ao pai, Carlos Bolsonaro é vereador no Rio de Janeiro pelo PSC e foi o responsável pela estratégia de comunicação nas redes durante a campanha eleitoral

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Evaristo Sa/AFP

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) admitiu a participação do filho Carlos Bolsonaro na operação de suas redes sociais, defendeu-o de críticas e acha que ele deveria ter um cargo de ministro em seu governo.

"Ah, o pitbull? Tá atrapalhando o quê? Não me atrapalhou em nada. Acho até que devia ter um cargo de ministro. Ele que me botou aqui. Foi realmente a mídia dele que me botou aqui. E ele não tá pleiteando cargo de ministro. Poderia botá-lo, mas não pleiteando isso aí", disse o presidente durante entrevista à Rádio Jovem Pan, na qual falou sobre os cem primeiros dias de seu governo.

"Twitter, Facebook e Instagram não tomam nem 30 minutos do dia. Quem realmente me ajuda nessa coordenação é o Carlos Bolsonaro. Por isso muita gente quer afastá-lo de mim", reforçou o presidente.

Muito próximo ao pai, Carlos Bolsonaro é vereador no Rio de Janeiro pelo PSC e foi o responsável pela estratégia de comunicação nas redes durante a campanha eleitoral. No período de transição, Bolsonaro chegou a cogitar a recriação da Secretaria de Comunicação Social e a nomeação do vereador para chefiá-la.

Leia também:
Bolsonaro sanciona lei do novo Cadastro Positivo
Bolsonaro corrige formação de ministro da Educação após anunciá-lo como doutor 

Devido a críticas, o então presidente eleito desistiu da ideia e manteve a Secom subordinada à Secretaria-Geral da Presidência -que começou o governo Bolsonaro tendo como titular Gustavo Bebianno, braço direito de Bolsonaro na campanha e desafeto do filho.

À época, Carlos reagiu dizendo que estava se afastando da gestão das redes sociais do pai para retomar a atividade como vereador no Rio de Janeiro. E disparou contra a imprensa.

"Já falei que não aceitarei Ministério ou Secretaria com status de, mesmo que tal situação seja permitida por lei. Repito novamente e novamente...Sigo meu trabalho sem problema algum no Rio. O resto das especulações é desconhecimento ou mau caratismo mesmo. Fim da história!", escreveu. Logo depois, reforçou: "Grande parte da imprensa não passa de um monte de lixo manipulador!"

O afastamento, contudo, durou pouco, e Carlos voltou a ter participação ativa nas redes sociais do pai, ajudando na estratégia de comunicação sobre a reforma da Previdência.

Em fevereiro, Carlos Bolsonaro teve participação direta no episódio que levou à demissão de Bebianno, envolvido no escândalo dos laranjas do PSL. O vereador afirmou que o ex-ministro mentiu quando disse que tinha falado com o pai –o ataque foi endossado pelo próprio presidente.

A presença e influência de Carlos junto a Bolsonaro ainda é alvo de questionamentos dentro do governo e junto a aliados. Mas o presidente dá novos sinais de que não pretende restringir essa atividade.

Veja também

"Problema localizado", diz Lewandowski sobre fuga de presos em Mossoró
Mossoró

"Problema localizado", diz Lewandowski sobre fuga de presos

Sábado de Carnaval: polícia prende homem com 452 cartões no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo
SAMBÓDROMO

Sábado de Carnaval: polícia prende homem com 452 cartões no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo