A-A+

Chanceler é convidado a falar no Senado sobre Israel e Palestina

Araújo deve tratar da posição do Brasil em relação a plano de paz

Ministro das Relações Exteriores, Ernesto AraújoMinistro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, deverá ir à Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado para esclarecer a posição do Brasil em relação ao plano de paz apresentado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para o conflito entre Israel e Palestina.

Um convite apresentado nesta quinta-feira (6) pelo senador Esperidião Amin (PP-SC) foi aprovado pelo colegiado. Logo após a apresentação do plano, Amin lembrou que o Itamaraty divulgou uma nota de apoio à proposta de Donald Trump. “Trata-se de iniciativa valiosa que, com a boa-vontade de todos os envolvidos, permite vislumbrar a esperança de uma paz sólida para israelenses e palestinos, árabes e judeus, e para toda a região”, destaca a nota do Ministério das Relações Exteriores brasileiro.

Leia também:
Ernesto Araujo anuncia suspensão do Brasil da CELAC
Ernesto Araújo dá carona em avião da FAB para esposa passar férias em Paris


“O Brasil tem uma história de relação tanto com Israel quanto com a Palestina. Nenhum país do mundo tem uma relação tão diplomática, tão intensa. Chamar o ministro para explicar essa mudança da posição do Brasil não significa contestar. Mas ignorar isso, creio que seria uma irresponsabilidade “, afirmou o senador ao avaliar que a postura do Itamaraty representa uma “mudança de posição.

Segundo o presidente da Comissão, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), o ministro adiantou que está disposto a participar da audiência pública, ainda sem data definida para ocorrer.

Veja também

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente
Brasil

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI