Cidade de Pernambuco é 1ª do País a dar aos rios os mesmos direitos dos cidadãos

Bonito têm direitos próprios reconhecidos, assim como os cidadãos. A lei orgânica da cidade que aposta no ecoturismo foi mudada para o reconhecimento do chamado direito da natureza

Cidade de BonitoCidade de Bonito - Foto: Arthur de Souza / FolhaPE

Na transição da Zona da Mata e o Agreste pernambucano, as serras verdes e as cachoeiras do município de Bonito têm direitos próprios reconhecidos, assim como os cidadãos.

No fim do ano passado, a lei orgânica da cidade, localizada a 136 km do Recife e que aposta no ecoturismo, foi mudada para o reconhecimento do chamado direito da natureza. O município é o primeiro do país a encampar essa tese, que tem crescido no mundo com o apoio da ONU.

Para se ter uma ideia, em todo o território do Equador (desde 2008) e da Bolívia (desde 2010), os elementos da natureza têm direitos próprios. Baseado no mesmo pensamento, há um ano, o parlamento da Nova Zelândia conferiu ao rio Whanganui o status jurídico de uma pessoa.

Leia também: 
Ibama pede paralisação de novas turbinas de Belo Monte após morte de peixes
Bandidos explodem agência da Caixa Econômica em Bonito

Na mesma época, na Índia, uma decisão da Justiça transformou o rio Ganges em uma entidade jurídica própria. Dias depois, outra decisão avançou no reconhecimento dos direitos das geleiras, lagos, cachoeiras e até do ar do Himalaia.

Pelo menos 13 pequenas cidades americanas, além de Pittsburgh, também têm leis do tipo. Em São Paulo, a Câmara Municipal também têm projetos de lei com o mesmo objetivo. A cidade deve receber ainda esse ano o 2º Fórum Internacional Pelos Direitos da Mãe Terra, com apoio do governo do estado.

O assunto também é um dos temas debatidos no 8º Fórum Mundial da Água, que ocorre em Brasília entre os dias 18 e 23 de março. Os direitos da natureza partem do princípio que os elementos do meio ambiente têm um direito inato à existência e ao desenvolvimento.

Para esta tese, o direito ambiental tradicional até hoje falhou ao enxergar a natureza apenas como uma posse da humanidade. Assim, a sua conservação do meio ambiente seria necessária para que a humanidade continue usufruindo dele no futuro. Pela nova visão, dar direitos à própria natureza é uma forma de equalizar esse embate entre o homem e a Terra.

Hippie

Não por acaso, a tese do direito da natureza surgiu nos anos 70, década marcada pelo rápido crescimento do ambientalismo e ainda sob efeito da onda hippie. Em 72, um professor de direito americano, Christopher Stone, lançou o questionamento de se as árvores mereciam ter direitos.

Em 1989, outro professor de direito americano, Roderick Nash, defendia que assim como escravos e as mulheres lutaram e tiveram seus direitos reconhecidos, o mesmo aconteceria com a natureza.

Defensora do tema no Brasil e diretora da ONG Mapas - Caminhos para a Paz, a advogada Vanessa Hasson concorda que a ideia talvez ainda pareça um tanto hippie. "É também filosófico, já que é de filosofia que precisamos para mudar paradigmas. Ainda assim, não é utópico, essa é uma mudança que já está acontecendo", disse.

Segundo ela, diante de novo marco jurídico, é possível criar e cobrar políticas públicas que estão relacionadas com a vida em harmonia com a natureza. No eixo da economia, por exemplo, um dos objetivos é desenvolver práticas de economia criativa que sejam menos agressivas à Terra. Já na saúde, busca-se, por exemplo, destaque às políticas de saúde integrativa [popularmente conhecidas como terapias alternativas], reconhecidas pelo SUS (Sistema Único de Saúde), como reiki, acupuntura, aromaterapia, entre outras.

Veja também

Covid-19: Brasil acumula 5,49 milhões de casos e 158,9 mil mortes
boletim

Covid-19: Brasil acumula 5,49 milhões de casos e 158,9 mil mortes

Vendas de imóveis batem novo recorde em agosto com alta de 64%
imóveis

Vendas de imóveis batem novo recorde em agosto com alta de 64%