Com motim da Polícia Militar, mortes no ES sobem quase quatro vezes

Entre os dias 4 e 13 de fevereiro, 143 pessoas foram assassinadas. Em 2016, foram 38

Polícia Militar do Espírito SantoPolícia Militar do Espírito Santo - Foto: Divulgação

Durante o motim dos policiais militares do Espírito Santo, o número de mortos no Estado foi quase quatro vezes maior do registrado no mesmo período do ano passado.

De acordo com dados da Secretaria da Segurança Pública, entre os dias 4 e 13 de fevereiro, 143 pessoas foram assassinadas. Em 2016, foram 38. Os números do governo são quase iguais aos divulgados pelo Sindicato dos Policiais Civis (145), que vinha sendo a única fonte de informações.

Amotinados, os policiais não vinham fazendo o patrulhamento das ruas. Mulheres e parentes dos agentes de segurança se postaram em frente aos batalhões da corporação bloqueando a saída dos carros. Com isso, o Estado viveu uma onda de violência desenfreada.

O movimento, iniciado no dia 4, perdeu força apenas nesta semana, com a convocação do Estado para que os PMs se apresentassem ao trabalho em locais públicos. Até helicópteros foram usados para levar e retirar os PMs para os batalhões onde ficam seus equipamentos.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, cerca de 2.500 policiais atenderam aos chamados. A corporação tem cerca de 10 mil homens, dos quais 2.000 saem diariamente para as ruas do Estado. A segurança no ES tem sido feita também por cerca de 3.000 militares e agentes da Força Nacional de Segurança, que estão em território capixaba desde o início da semana passada.

Na noite de terça (14), o juiz Mário da Silva Nunes Neto, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual, ordenou a saída imediata de manifestantes e a remoção de obstáculos que possam interferir na entrada e saída dos quarteis e batalhões. Dez mulheres de PMs que bloqueavam os portões foram intimadas. Caso a decisão não fosse cumprida, o magistrado determinou o pagamento de multa de R$ 10 mil por dia, para cada manifestante.

Punições

Também na terça, o governo publicou uma lista com os nomes de militares indiciados crime militar de revolta por conta do motim. Os 155 nomes foram publicados no "Diário Oficial" do Estado e responderão a Inquéritos Policiais Militares (IPMs) e processos administrativos que podem resultar desde em absolvição a até demissão e expulsão da PM.

Estão na lista: dois tenentes-coronéis, um major, um capitão da reserva, quatro primeiros-sargento, três terceiros-sargentos, 28 cabos e 116 soldados. Esse são os primeiros policiais dos 703 anunciados pelo governo do Estado envolvidos no motim.

O crime militar de revolta prevê de pena de 8 a 20 anos de prisão Os procedimentos têm prazo de 30 dias para serem concluídos, inicialmente. Neste prazo, serão analisadas as provas e os militares podem ser absolvidos, sofrer sanções, ser presos, demitidos e até ser expulsos da corporação.

Veja também

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não
CINEMATECA

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020
SÃO PAULO

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020