Concluída transferência de presos, após rebelião em Altamira

Polícia Civil indiciou 22 detentos pelos crimes de associação criminosa e homicídio qualificado

Policial patrulha os arredores do Centro de Recuperação Regional de Altamira depois que detentos foram mortos em uma rebeliãoPolicial patrulha os arredores do Centro de Recuperação Regional de Altamira depois que detentos foram mortos em uma rebelião - Foto: Bruno Santos/AFP

Foi concluída na manhã deste sábado (3) a transferência do último grupo de presos que saiu do Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRRA) na última terça-feira (30). Dos 26 que vieram para Belém, 18 chegaram na sexta-feira (2) e oito foram transferidos hoje.

Eles estavam em Marabá de onde saíram logo após a conclusão das audiências de custódia e a homologação das prisões preventivas dos envolvidos no inquérito que apura as mortes de quatro detentos em caminhão-cela, durante a transferência.

A Polícia Civil indiciou 22 detentos pelos crimes de associação criminosa e homicídio qualificado. Durante o trajeto, eles usam algemas de três pontos e são escoltados por agentes penitenciários e policiais militares. Toda a operação de transferência envolve cerca de 50 profissionais da Segurança Pública.

Leia também:
Maioria dos detentos em presídio do massacre de Altamira são provisórios
Não é resposta que um presidente dê a essas famílias, diz bispo de Altamira sobre Bolsonaro
CNJ pede informações sobre presídio em Altamira


A transferência foi determinada depois que, na última segunda-feira (29), um grupo de presos da facção Comando Classe A (CCA) invadiu a ala dos integrantes do Comando Vermelho (CV), facção rival, e colocou fogo em uma das celas. No confronto 58 pessoas morreram asfixiadas ou decapitadas.

Veja também

Brasil registra 33.413 novos contágios e 1.031 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h
Covid-19

Brasil registra 33.413 novos contágios e 1.031 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi
violência

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi