Cônsul de Israel critica Weintraub por associar nazismo a operação do STF

Alon Lavi criticou polêmica declaração do ministro da Educação

Abraham Weintraub, ministro da Educação Abraham Weintraub, ministro da Educação  - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Em uma série de publicações numa rede social nesta quinta (28), o cônsul-geral de Israel em São Paulo, Alon Lavi, criticou uma declaração do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que associou o nazismo à operação do STF (Supremo Tribunal Federal) contra uma rede de bolsonaristas.

"O Holocausto, a maior tragédia da história moderna, onde 6 milhões de judeus, homens, mulheres, idosos e crianças foram sistematicamente assassinados pela barbárie nazista, é sem precedentes. Esse episódio jamais poderá ser comparado com qualquer realidade politica no mundo", escreveu Lavi.

Junto com cada postagem, o diplomata republicou mensagens de três organizações -o American Jewish Committee, principal entidade judaica dos EUA, a Confederação Israelita do Brasil (CONIB) e o Museu do Holocausto de Curitiba. Na quarta (27), dia da operação deflagrada pela Polícia Federal, Weintraub, também em redes sociais, escreveu que "hoje foi o dia da infâmia, vergonha nacional, e será lembrado como a Noite dos Cristais brasileira", acima de uma foto da Alemanha nazista.

Leia também:
Ministro da Justiça pede ao STF suspensão de oitiva de Weintraub
Bolsonaro recorre ao STF para evitar depoimento e prisão de Weintraub no inquérito das fake news


Profanaram nossos lares e estão nos sufocando. Sabem o que a grande imprensa oligarca/socialista dirá? Sieg Heil!", escreveu. A expressão em alemão significa "Salve vitória" e era muito usada durante o período nazista na Alemanha. Já a Noite dos Cristais foi um dos primeiros grandes episódios coordenados de violência nazista direcionada aos judeus, em 1938, considerado um precursor do Holocausto.

Weintraub se referia à operação da PF que cumpriu 29 mandados de busca e apreensão no inquérito das fake news, apurando ataques a integrantes do STF que teriam sido cometidos por políticos, empresários e ativistas bolsonaristas. Em outra publicação, também na quarta, o titular da Educação relata que cresceu escutando que familiares foram perseguidos pelo nazismo e que a polícia do regime entrava nas casas de inimigos de Hitler. "Nesse momento sombrio, digo apenas uma palavra aos irmãos que tiveram seus lares violados: Liberdade".

O American Jewish Committee reprovou a associação feita pelo ministro e as constantes menções ao nazismo pelo governo brasileiro em geral. "O repetido uso de menções ao Holocausto como arma política por autoridades do governo brasileiro é profundamente ofensivo para judeus de todo o mundo e um insulto para as vítimas e sobreviventes do terror nazista. Isso precisa parar imediatamente", declarou.

Em nota, a Conib (Confederação Israelita do Brasil) condenou a atitude: "A comparação feita pelo ministro Abraham Weintraub é totalmente descabida e inoportuna, minimizando de forma inaceitável aqueles terríveis acontecimentos, início da marcha nazista que culminou na morte de 6 milhões de judeus, além de outras minorias", afirmou a confederação.

Integrantes do governo Bolsonaro fizeram repetidas menções ao nazismo desde que o presidente assumiu o cargo, em 2019. Em março do ano passado, o chanceler Ernesto Araújo disse, em entrevista a um canal de YouTube, que o nazismo foi um movimento de esquerda. A declaração repete discurso em voga durante as eleições de 2018, mas jamais foi levada a sério por acadêmicos na Alemanha.

Foi a primeira vez que Ernesto, como ministro, classificou o nazismo como um suposto movimento de esquerda -ele já o fizera em um texto publicado em 2017 em seu blog.
Dias mais tarde, o presidente Jair Bolsonaro endossou o chanceler, após visitar o centro de memória do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém.

Quando questionado sobre a ligação do nazismo com os movimentos de esquerda, Bolsonaro respondeu: "Não há dúvida. Partido Socialista... Como é que é? Da Alemanha. Partido Nacional Socialista da Alemanha".

A declaração se opõe ao entendimento do próprio memorial, que descreve o nazismo como um movimento de direita -classificação amplamente aceita entre historiadores de todo o mundo.

Em janeiro deste ano, o então secretário da Cultura, Roberto Alvim, foi demitido por imitar um discurso nazista, o que gerou forte repúdio nas redes sociais. O dramaturgo e diretor de teatro foi exonerado pelo presidente após publicar vídeo no qual fez uso de trechos de um discurso de Joseph Goebbles, ministro da Propaganda na Alemanha de Hitler.

Veja também

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos
Saúde

Covid-19: entidade orienta sobre vacinação em pacientes reumáticos

Quatro pessoas morrem após acidente entre lanchas em Angra dos Reis
Rio de Janeiro

Quatro pessoas morrem após acidente entre lanchas em Angra dos Reis