Corridas com Uber ficam R$ 0,75 mais caras

Mudança inclui "Custo Fixo" a cada solicitação feita pelos passageiros

Evento discute a participação feminina nos fenômenos políticos do Brasil RepúblicaEvento discute a participação feminina nos fenômenos políticos do Brasil República - Foto: Hélia Scheppa/SEI

A Uber acrescentou uma nova taxa aos seus serviços. O titulado “Custo Fixo” vai acrescentar R$ 0,75 a cada solicitação feita. A medida deve “manter o crescimento saudável da plataforma no Brasil”, conforme pontuou a empresa em comunicado oficial.

O motorista Luiz Cavalcanti, 42, já escutou muitas opiniões a respeito. “Tem gente que concorda, e outros que não. Natural. Eu vejo como uma medida de segurança, pois, desde que a Uber passou a aceitar pagamento em dinheiro, a forma de cadastro é bem mais simples. Já encontrei passageiros que usavam o nome do cachorro no lugar do próprio, então acho que esse é um valor simbólico para garantir o comprometimento com a chamada”, argumenta.

A mudança foi divulgada nesta quinta-feira (05) e está em vigor desde então.

Novo termo de acordo

Desde o início do ano, os motoristas da Uber que quiseram continuar com a função tiveram que concordar com um novo contrato em que a empresa se isenta de responsabilidade com os motoristas.

“Eles fizeram isso para evitar responder por ações trabalhistas. Mas isso é um retrocesso para ela. É como se não houvesse mais uma parceria. O aplicativo se tornou uma opção para muitos em meio a crise, mas precisamos de condições dignas para trabalhar. É desconfortável para os motoristas. Fomos nós que ajudamos a empresa a crescer”, diz Luiz.

Ele acredita, entretanto, que a situação vá se equilibrar devido a concorrência de outros aplicativos similares à Uber que cobram menos taxas dos motoristas, como o T81, Driver e Cabify.

Veja também

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho
Henry Borel

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho

Merendeira que ajudou crianças em massacre de Suzano é 1ª profissional de educação vacinada
Covid-19 no Brasil

Merendeira que ajudou crianças em massacre de Suzano é 1ª profissional de educação vacinada