Damares diz que homens devem abrir porta de fábricas e de partidos para mulheres

'É isso que nos queremos. Construir uma sociedade igual. A igualdade de direito entre homens e mulheres', disse a ministra

Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos HumanosDamares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou nesta quinta (8) que homens não devem apenas abrir a porta do carro para mulheres, mas também abrir a porta de fábricas para empregá-las e de partidos, para que tenham mais representatividade política.

"Fui criticada, vereadores, quando eu disse que nós queremos ensinar meninos na escola a abrir a porta do carro, ensinar os meninos a abrir a porta para mulher, ensinar a levar flor para mulher", afirmou.

"Não é para menino abrir apenas a porta do carro, é para ele abrir a porta da fábrica para dar emprego para a mulher. É para ele abrir a porta dos partidos para as mulheres terem acesso a partidos sem precisarem de cota. É para eles abrirem, inclusive, a porta do parlamento. Precisamos de mais mulheres no parlamento."

Leia também:
Ministra Damares Alves pede união em torno do tema “doenças raras”
Damares: governo tem feito 'releitura' de direitos humanos
Nos EUA, Damares defende Eduardo Bolsonaro, 'um menino culto', como embaixador

"É isso que nos queremos. Construir uma sociedade igual. A igualdade de direito entre homens e mulheres", acrescentou.

A declaração foi feita na Câmara Municipal de Campinas (interior de São Paulo), durante audiência pública para discutir políticas públicas de proteção a mulheres. Damares chegou à Câmara por volta das 14:30, sob aplausos e gritos de protesto.

Manifestantes carregavam cartazes escritos "Não me diga como me vestir, diga a eles para não em estuprar" e "Tchau, querida Dada" (em referência à frase contra a ex-presidente Dilma que se popularizou em grupos de direita durante o período do impeachment).

Todo o barulho dos opositores enfureceu as pessoas favoráveis à ministra, que eram maioria na Casa e carregavam cartazes com corações cor de rosa com o nome da ministra e gritavam "Ela me representa!".

O embate ficou mais acalorado e a ministra teve que interromper o discurso em meio a uma crise de tosse. "Se eu pudesse falar mais baixo, não forçaria tanto a minha voz. Nao estou bem de saúde. Bora continuar!", disse.

Damares falou sobre medidas de prevenção e combate à violência contra a mulher que serão prioridade em sua gestão, tais como o ensino da Lei Maria da Penha para crianças a partir dos 4 anos nas escolas, a capacitação de líderes religiosos para que acolham vítimas e a criação de espaços cor de rosa nos IMLs (Institutos Médicos Legais) para que a mulher vítima de agressão a ser periciada seja tratada com dignidade e se sinta acolhida.

"Precisamos fazer uma grande revolução cultural em defesa da mulher no brasil", afirmou. Nesta quarta (7), Damares assinou um pacto para enfrentar a violência contra a mulher, junto com o ministro da Justiça, Sergio Moro, e outras autoridades.

Na ocasião, o ministro Sergio Moro afirmou que há homens que recorrem à violência por se sentirem intimidados por mulheres. Questionada sobre a afirmação pela reportagem nesta quinta, Damares disse que não iria comentá-la.

Damares também falou sobre grupos "invisibilizados" que terão atenção da pasta que comanda. Entre eles, mulheres ciganas, idosos e pessoas com doenças raras.

Após o fim da audiência, tirou inúmeras selfies com vereadores e apoiadoras que teciam elogios à ministra e seguiu para uma concessionária, onde participou de uma solenidade de entrega de carros para conselhos tutelares de quatro cidades no interior paulista –Campinas, Guarulhos, Águas de Lindóia e Votorantim.

Veja também

Botucatu inicia neste domingo (16) vacinação em massa da população adulta
Coronavírus

Botucatu inicia neste domingo (16) vacinação em massa da população adulta

Eclipsado pela Covid, sarampo se alastra pelo Amapá e provoca duas mortes de bebês
Surto

Eclipsado pela Covid, sarampo se alastra pelo Amapá e provoca duas mortes de bebês