Defesa de Moro diz que vídeo confirma integralmente declarações sobre Bolsonaro

A exibição do vídeo, ainda sob sigilo, ocorreu nesta terça-feira (12) na PF em Brasília

Sergio MoroSergio Moro - Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

Após ter acesso ao vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, a defesa do ex-ministro da Justiça Sergio Moro divulgou nota em que afirma que a gravação confirma "integralmente" as declarações dele sobre as interferências do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

Em depoimento à PF, Moro afirmou que, na reunião, da qual participaram ministros e o presidente, Bolsonaro cobrou a substituição do superintendente do Rio e do então diretor-geral da polícia, Maurício Valeixo, além relatórios de inteligência e informação da corporação.

A exibição do vídeo, ainda sob sigilo, ocorreu nesta terça-feira (12) na PF em Brasília. Moro acompanhou presencialmente a exibição ao lado de integrantes da Procuradoria-Geral da República, advogados do ex-ministro, integrantes do governo federal e da PF.

Leia também:
Depoimento de Ramagem confirma que Bolsonaro queria mudança da chefia do Rio
Cidadania diz que militares que receberam auxílio emergencial indevidamente terão que devolver recursos

Nota assinada pelo advogado de Moro, Rodrigo Sanchez Rios, pede ainda que o vídeo "venha à tona" em nome do interesse público. De acordo com ele, não há menção a nenhum tema "sensível à segurança nacional" nas imagens gravadas.

"Assistimos hoje ao vídeo da reunião interministerial ocorrida em 22 de abril. O material confirma integralmente as declarações do ex-ministro Sergio Moro na entrevista coletiva de 24 de abril e no depoimento prestado à PF em 2 de maio. É de extrema relevância e interesse público que a íntegra desse vídeo venha à tona. Ela não possui menção a nenhum tema sensível à segurança nacional", afirmou Rios.
O ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou que as partes tivessem acesso ao vídeo, mas sem poder copiar o material.

O decano da corte pediu ainda a transcrição da reunião e a perícia no vídeo em que o presidente Bolsonaro teria ameaçado de demissão o então ministro da Justiça, Sergio Moro, caso não trocasse o diretor-geral da PF.

O magistrado afirma que é necessário verificar se a gravação foi editada ou se o governo entregou, de fato, a versão integral do registro do encontro ocorrido no último dia 22 e citado por Moro em depoimento à Polícia Federal.

Celso de Mello permitiu que as partes tenham acesso à gravação e informou que, depois de a PGR assistir ao vídeo e se manifestar em relação ao sigilo, irá decidir se torna o vídeo público.

O registro audiovisual desta reunião é alvo de embate entre Moro e AGU (Advocacia-Geral da União). A AGU chegou a recorrer ao STF permitisse que o governo não entregasse o vídeo. Depois, recuou e solicitou autorização para enviar apenas o trecho da reunião em que Bolsonaro teria ameaçado demitir Moro. O que foi negado.

Na segunda-feira (11), Bolsonaro defendeu que tornar público toda a gravação não seria adequado porque teriam sido tratados assuntos sensíveis no encontro. O temor do Executivo é que o vídeo gere uma crise institucional. Além das possíveis intimidações a Moro, ministros presentes teriam feito duras críticas ao Supremo ao Congresso.

O comentário foi o de que o STF exagerou ao ter aberto, no dia 21, um inquérito para apurar a organização de protesto promovido em Brasília com bandeiras contra a democracia, do qual Bolsonaro participou.

No encontro, Bolsonaro cobrou da sua equipe de ministros o acesso a relatórios de inteligência e disse que cabe a ele a palavra final em nomeações de seu próprio governo. A bronca foi relatada à Folha de S.Paulo em caráter reservado por quatro ministros.

Na mesma reunião, o presidente reclamou da divulgação de uma nota oficial da PRF (Polícia Rodoviária Federal) que lamentava a morte de um integrante da corporação por coronavírus.

No dia anterior, a PRF havia divulgado uma manifestação de pesar pela morte de Marcos Roberto Tokumori, 53, ocorrida naquela madrugada. Ele atuava em Santa Catarina.

Veja também

Alunos pobres e pretos são mais afetados emocionalmente na pandemia, diz Datafolha

Alunos pobres e pretos são mais afetados emocionalmente na pandemia, diz Datafolha

Venda de antidepressivos cresce na pandemia e liga alerta para sofrimento mental
Pandemia

Venda de antidepressivos cresce na pandemia e liga alerta para sofrimento mental