Detentos do RS depredam micro-ônibus onde aguardavam vagas em presídio

Os detentos eram mantidos desde a tarde de sexta-feira dentro do veículo da Brigada Militar (a PM gaúcha), estacionado no Palácio da Polícia de Porto Alegre

Fernando?Bezerra espera retomar controle do MDB estadualFernando?Bezerra espera retomar controle do MDB estadual - Foto: Pedro França/agência senado

Seis presos depredaram, na manhã deste sábado (19), o micro-ônibus onde aguardavam vagas no sistema prisional do Rio Grande do Sul. Os detentos eram mantidos dentro do veículo da Brigada Militar (a PM gaúcha), estacionado no Palácio da Polícia de Porto Alegre, desde a tarde de sexta-feira.

Com presídios e celas de delegacias superlotadas, suspeitos já haviam sido presos em viaturas no Estado e, desde quarta-feira (16), micro-ônibus passaram a ser utilizados com essa finalidade.

Segundo a polícia, os seis homens se revoltaram com a espera dentro do veículo da polícia e quebraram os vidros e depredaram o interior do carro com chutes e socos. Após serem contidos, foram encaminhados para a penitenciária de Charqueadas (região metropolitana de Porto Alegre).

Logo depois do caso, outros presos do Palácio da Polícia se revoltaram. Detentos que são mantidos em uma das celas cuja janela está voltada para o pátio colocaram fogo no local. Ninguém ficou ferido, e o incêndio foi rapidamente controlado pelos Bombeiros. Após a limpeza do lugar, os detentos foram realocados na cela.

Viaturas e contêiner

A superlotação do sistema penitenciário do Rio Grande do Sul fez com que, há um mês, presos passassem a ser mantidos em carros da Brigada Militar, principalmente no Palácio da Polícia -as celas do local, que têm capacidade para seis pessoas, chegam a receber 20 homens.

Quando algum dos detidos das celas é transferido para uma penitenciária, uma "vaga" abre para receber um preso que estava em um carro. Enquanto estão nos veículos, eles precisam ser acompanhados para ir ao banheiro por um policial, por exemplo.

Entre a noite de terça (8) e a manhã de quarta (9), dois presos que estavam presos em carros foram algemados a uma lixeira de ferro na calçada, ao lado do Palácio da Polícia Civil, na avenida Ipiranga. De acordo com o delegado Marco Antônio Duarte de Souza, diretor da Delegacia de Policia de Pronto Atendimento (DPPA), os presos foram retirados por policias para "pegar um ar". Quando começou a chover, foram colocados novamente nos automóveis.

Após o caso, a Secretaria de Segurança Pública anunciou que o governo gaúcho decidiu usar contêineres para abrigar detentos. O espaço em Porto Alegre será dividido em 16 celas, com capacidade para 96 detentos. O custo aproximado será de R$ 500 mil e a previsão para concluir a obra é o início de 2017.

Veja também

Ministério da Agricultura: fábrica da Backer continua interditada
Brasil

Ministério da Agricultura: fábrica da Backer continua interditada

Rússia espera registro da Sputnik V no Brasil em dezembro e produção em janeiro
Covid-19

Rússia espera registro da Sputnik V no Brasil em dezembro e produção em janeiro