Detran-RJ diz que motorista negou ter doença neurológica ao fazer exame

Antonio de Almeida Anaquim é responsável pelo acidente na noite dessa quinta-feira (18) na orla de Copacabana, em que um bebê de 8 meses morreu e 16 pessoas ficaram feridas

O motorista Antonio Almeida Anaquim, que atropelou 17 pessoas em CopacabanaO motorista Antonio Almeida Anaquim, que atropelou 17 pessoas em Copacabana - Foto: Reprodução / Internet

O Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran-RJ) informou, por meio de nota, que o motorista Antonio de Almeida Anaquim, responsável pelo acidente na noite dessa quinta-feira (18) na orla de Copacabana, em que um bebê de 8 meses morreu e 16 pessoas ficaram feridas, negou durante seu exame de validação médica da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ter qualquer doença neurológica, inclusive epilepsia.

O órgão informou também que pessoas com epilepsia podem ter carteira de habilitação, mas precisam passar por uma avaliação neurológica. Quando apto para dirigir, o exame médico terá validade menor, de acordo com a avaliação médica, com enquadramento na categoria B, válida apenas para dirigir carros.

Leia também:
Bebê morre em atropelamento no calçadão de Copacabana; mãe fica ferida
Carro invade calçadão e atropela pedestres em Copacabana

Na nota, o Detran informa ainda que Antonio Anaquim teve o processo de suspensão da Carteira Nacional de Habilitação aberto em maio de 2014. No entanto, ele não cumpriu com a exigência de devolução da CNH para realização de curso de reciclagem. Por cometer uma infração de trânsito ao dirigir com a carteira suspensa, o Detran já instaurou o processo de cassação da sua CNH, como determina a legislação federal de trânsito. O Detran esclareceu que no caso de Antonio Anaquim cumpriu com todo o trâmite do Código Brasileiro de Trânsito.

Veja também

Desmatamento não gera riqueza nem melhoria de vida na Amazônia, diz pesquisaPesquisa ambiental

Desmatamento não gera riqueza nem melhoria de vida na Amazônia, diz pesquisa

Contaminação em rio deixa cidade há 10 dias sem água e provoca morte de 2 toneladas de animaisAmapá

Contaminação em rio deixa cidade há 10 dias sem água e provoca morte de 2 toneladas de animais