Elize não esquartejou marido vivo, diz perito em depoimento de dez horas

Elize é ré confessa da morte e esquartejamento do marido em 2012

Deputada federal Marília Arraes (PT) defende sua candidatura do PT no RecifeDeputada federal Marília Arraes (PT) defende sua candidatura do PT no Recife - Foto: Arthur de Souza

Em um depoimento que durou cerca dez horas nesta sexta-feira (2), quinto dia de julgamento de Elize Matsunaga, o legista e perito criminal Sami El Jundi disse que a morte de Marcos Matsunaga se deu instantemente com a explosão do projétil da arma de fogo.

Assistente da defesa, Jundi também afastou a possibilidade de a vítima ter sido esquartejada ainda em vida já que, segundo ele, exames realizados após a exumação não detectaram sinais vitais nas partes em que ocorreram os cortes. "Não tenho dúvidas. Foi o tiro."

Essas informações são importantes para o futuro de Elize porque, mesmo sendo ré confessa da morte e esquartejamento do marido em 2012, as qualificadoras do crime (que aumentam a pena) serão definidas pelo entendimento dos jurados, entre outros pontos, se a vítima sofreu com o esquartejamento e se ela teve chance de defender.

A outra discussão ocorreu sobre o motivo que levou a ré a matar o marido. A Promotoria sustenta que o motivo é torpe, ligado apenas a interesses de vingança (pela traição) e pelo dinheiro.

Sem as classificadoras, Elize deve pegar de 6 a 20 anos de prisão e pode pedir progressão de pena após o cumprimento de um sexto da pena. Como já cumpriu 4,5 anos, poderá até sair do julgamento com alvará de soltura.

Com o que sustente aumento da punição, o crime se torna hediondo -a pena vai de 12 a 30 anos de prisão, com possibilidade de progressão de pena após o cumprimento de dois quintos.

O depoimento do perito convergiu em muitos pontos com o depoimento do assistente da acusação, o médico legista Carlos Alberto Coelho (também ouvido no júri) -em especial, que Elize pode ter cometido todo o crime sozinha. As marcas diferentes de corte não são indicativos de uma terceira pessoa, como sustenta a acusação.

A versão de Jundi contraria totalmente a versão apresentada pelo legista, responsável pela necropsia das partes do corpo da vítima, o médico Jorge Pereira de Oliveira, que, no julgamento, disse acreditar que a causa morte foi a asfixia pela aspiração de sangue. Algo só possível em virtude do movimento pulmonar, assim, ainda em vida.

O assistente da defesa explicou aos jurados que o sangue detectado pelo médico no sistema respiratório se deve ao escorrimento para orifício aberto pela decapitação (que deixou a traqueia exposta), por força gravitacional, e não pelo movimento pulmonar.

As explicações causaram especial interesse dos jurados que fizeram ao menos 60 perguntas em quase duas horas de questionamentos enviados em bilhetes.

Para ilustração ao júri, o perito explicou que o disparo feito por Elize atingiu uma área do cérebro procurada por atirados de elite que, quando acertam, conseguem incapacitar o alvo imediatamente. Quem é atingido, caso esteja armado, não consegue sequer puxar o gatilho.

Ainda faltam duas testemunhas, que são amigas de Elize, para serem ouvidas. E, assim, o julgamento se estendera pelo final de semana.

Veja também

Descubra seis programas de culinária diferentões para desanuviar no isolamento
cozinha

Descubra seis programas de culinária diferentões para desanuviar no isolamento

Pelo menos 21 vacinas contra Covid-19 estão na fase de testes em humanos
Coronavírus

Pelo menos 21 vacinas contra Covid-19 estão na fase de testes em humanos