Em parceria com Harvard, FGV terá centro de inovação educacional no Rio

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais funcionará dentro da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas

Ciro Gomes (PDT) pediu votos para Maurício Rands (Pros)Ciro Gomes (PDT) pediu votos para Maurício Rands (Pros) - Foto: Divulgação

Em parceria com Harvard, a FGV (Fundação Getulio Vargas) inaugura na próxima segunda (28) um centro de inovação em políticas educacionais de aprendizagem no Rio de Janeiro.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (CEIPE) funcionará dentro da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebape), da FGV-Rio, e também terá apoio do Instituto Brookings, um centro de estudos americano. O objetivo da nova unidade é a formação professores, a qualificação da primeira infância, equidade e personalização dos processos de aprendizagem.

"Esse é um sonho antigo meu. O centro vai ajudar na idealização, no planejamento de políticas educacionais inovadoras, como formação de docentes e gestores, além de aconselhar prefeitos e governadores em política educacional", disse Cláudia Costin, diretora-presidente do Ceipe.

Além de Costin, que ainda atua como professora visitante na Faculdade de Educação da Universidade de Harvard, o centro também será coordenado por Rafael Parente. "Queremos assessorar no desenho e implementação de políticas efetivas que consigam qualificar e garantir o desenvolvimento pleno das crianças e o direito à educação de qualidade", destaca Parente.

Para Flávio Vasconcelos, diretor da FGV-Ebape, a criação do centro vai fortalecer a capacidade da instituição de impactar mais diretamente as políticas públicas. "Sua inserção num ambiente de grande circulação de estudantes e pesquisadores permitirá a construção de uma conexão mais íntima do conhecimento adquirido com a sua aplicação às necessidades prementes do país."

O Brasil, lembra Costin, é apenas o 58º colocado em um ranking de 65 países avaliados pelo Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), a pedido da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

"A qualidade de educação no Brasil ainda continua muito ruim. Basicamente as crianças não aprendem o que deveriam e há muita desigualdade no processo de ensino. O centro dentro de uma universidade vai se beneficiar de ter vários alunos em mestrado e doutorado em políticas públicas."

Menos de 10% dos jovens que concluem o ciclo de educação básica e obrigatória no Brasil adquirem os conhecimentos e desenvolvem as competências e habilidades mínimas necessárias para a vida de cidadãos brasileiros, mostram dados do Observatório do Plano Nacional de Educação.

"Em todas as avaliações oficiais, nacionais e internacionais, nossos resultados são preocupantes. O Brasil figura em posições incompatíveis com o seu estágio de desenvolvimento", aponta Costin, que pretende com o centro semear boas práticas e tornar mais visíveis experiências inovadoras para mostrar o que tem funcionado no mundo, principalmente na educação infantil.

Veja também

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde
Brasil

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU
EM EVENTO NO RECIFE

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU