Empréstimo de avião foi 'transparente' e 'pago até o fim', diz Luciano Huck

Por meio da empresa Brisair, empresa da qual é sócio junto com Angélica Huck, o apresentador pegou R$ 17,7 milhões com o BNDES em 2013

Apresentador Luciano HuckApresentador Luciano Huck - Foto: Reprodução/ Internet

O apresentador Luciano Huck diz que o empréstimo que fez junto ao BNDES para comprar um avião foi "transparente, pago até o fim, sem atraso".

Na segunda, o banco divulgou uma lista de centenas de empresas que fizeram operações semelhantes. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou, há uma semana, que ela seria publicada.

Por meio da empresa Brisair, empresa da qual é sócio junto com Angélica Huck, o apresentador pegou R$ 17,7 milhões com o BNDES em 2013 por meio do Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos).

"A empresa Brisair, da qual sou sócio, comprou um avião produzido pela Embraer. Para tanto, fizemos um empréstimo transparente, pago até o fim, sem atraso. Tudo como manda a lei", afirma Huck em texto enviado à reportagem.

Leia também:
Huck defende Tabata e diz que velha política tenta calar renovação
'Se ele comprou jatinho, ele faz parte do caos', diz Bolsonaro sobre Luciano Huck


"O BNDES/Finame é um tipo de financiamento bancário concebido para favorecer a indústria nacional, abrindo-lhe condições de competir em pé de igualdade com produtores estrangeiros. Milhares de operações financeiras como esta foram realizadas, com único objetivo de estimular a produção, a aquisição e a comercialização de bens, máquinas e equipamentos produzidos no Brasil", segue o apresentador.

"A compra e o financiamento da aeronave foi feita por meio de um contrato absolutamente legal, sem vício, vantagem ou privilégio", finaliza ele.

Veja também

Vendas de imóveis batem novo recorde em agosto com alta de 64%
imóveis

Vendas de imóveis batem novo recorde em agosto com alta de 64%

Ministro do STJ rejeita ação em que pessoas pediam para não serem obrigadas a tomar vacina da Covid
Coronavírus

Ministro do STJ rejeita ação em que pessoas pediam para não serem obrigadas a tomar vacina da Covid