Entendo a angústia do Moro, mas ele não julga mais ninguém, diz Bolsonaro

Ele afirmou que derrotas são "parte do jogo" e disse que o pacote anticrime, considerado prioridade para Moro, não é visto com urgência pelo governo

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta quinta-feira (8) que lamenta a derrota sofrida pelo ministro Sergio Moro (Justiça) no Congresso, mas que ele "não julga mais ninguém" e que com isso, não pode decidir as coisas de forma unilateral.

"O ministro Moro é da Justiça, mas ele não tem poder de... não julga mais ninguém. Então, temos que, entendo a angústia dele em querer que o projeto dele vá para a frente, entendo, mas nós temos que combater, diminuir o desemprego, fazer o Brasil andar, abrir o nosso comércio."

Ele afirmou que derrotas são "parte do jogo" e disse que o pacote anticrime, considerado prioridade para Moro, não é visto com urgência pelo governo."O Moro está vindo de um meio onde ele decidia com uma caneta na mão. Agora, não temos como decidir de forma unilateral. E temos que governar o Brasil. O que que eu sempre falei para todos os ministros? Eu quero que o Brasil dê certo."

Leia também:
TSE julga improcedente ação de candidatura de Bolsonaro contra Haddad
PSDB não pode ser oposição, mas Bolsonaro precisa retomar diálogo, diz Doria


A declaração ocorre depois de o pacote anticrime de Moro ter sofrido nova derrota na Câmara.Os deputados rejeitaram na terça-feira (6) a inclusão no texto final do projeto o chamado "plea bargain" que era planejado pelo ministro -tipo de solução negociada entre o Ministério Público, o acusado de um crime e o juiz.

Em julho, a Casa já havia imposto uma derrota ao ministro de Bolsonaro ao rejeitar a possibilidade de prisão em segunda instância, que era prevista no pacote.Moro foi escolhido para chefiar a Justiça depois de se destacar como juiz da Lava Jato em Curitiba.

Bolsonaro disse que lamenta a derrota sofrida pelo ministro, mas que não pode pressionar o Congresso a votar o texto por não ser a prioridade do governo. "Tem que conversar com o Moro, né? Teve alguma reação do Parlamento e você não pode causar turbulência. Lamento, mas tem que dar uma segurada. Eu não quero pressionar isso aí e atrapalhar, tumultuar lá. Tantas outras propostas não enviamos para não atrapalhar a Previdência", afirmou.

Para o presidente, as mudanças feitas no projeto do ministro da Justiça pelos deputados são "parte do jogo". "É natural. Fiquei 28 anos lá dentro. Olha, 'se a proposta for para frente eu não voto a Previdência'. É o jogo. Tem que saber jogar", afirmou.

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres