Escola renasce após rompimento de barragem em Minas Gerais

Conheça a inspiradora história do Colégio Renascer

O Colégio Renascer, literalmente, renasceu de um antigo espaço em MarianaO Colégio Renascer, literalmente, renasceu de um antigo espaço em Mariana - Foto: Reprodução / CTTU

O rompimento da barragem do Fundão, em Mariana (Minas Gerais), em 2015, deixou lama e, com ela, marcas na vida de inúmeros moradores da região. Todos tiveram que conhecer o significado da palavra recomeço – inclusive a Unidade Cônego Paulo Dilascio, instituição filantrópica mantida pelo Colégio Arquidiocesano em parceria com a Samarco Mineradora, que não foi atingida diretamente, mas encerrou os trabalhos educacionais desenvolvidos com centenas de crianças na região.

Havia aproximadamente 260 alunos, na época. A escola, que também era referência no ensino de crianças com deficiência, atendia filhos de funcionários da Samarco que, por sua vez, custeava bolsas de estudo para a comunidade carente próxima à instituição – além da mensalidade, a mineradora financiava a alimentação, uniformes, livros e transporte dos alunos carentes.

Com o rompimento da barragem, vieram as dificuldades financeiras. A Samarco rompeu o contrato com o Colégio Arquidiocesano, que decidiu deixar a administração da escola por não ter condições de seguir à frente da escola. Alguns motivos foram determinantes, entre eles a evasão de alunos. Isto porque muitos pais ficaram desempregados ou tiveram que se mudar após o rompimento da barragem, o que afetaria no rendimento financeiro.

Como o impacto social promovido pela escola falava mais alto, modificando a vida de inúmeras crianças, pais e antigos funcionários decidiram lutar para que o legado filantrópico da instituição não deixasse de existir. “Eu e uma mãe de aluno, em três meses, resolvemos abrir uma nova escola. Com a cara e a coragem, abrimos com outro nome, mas no mesmo endereço”, conta a professora Jandimare Matos, vice-diretora do Colégio Renascer que, literalmente, renasceu no lugar da antiga Unidade Cônego Paulo Dilascio.

Apesar dos novos ares, o Colégio Arquidiocesano e a Samarco ainda estão presentes no Colégio Renascer. O primeiro doou toda a mobília, já a mineradora cedeu o espaço físico sem custos. “Começamos com tudo novo, uma nova história e tentando dar continuidade com a antiga. Conseguimos um número até razoável de alunos, apesar de ter acontecido um grande decréscimo na quantidade de alunos”, conta a professora Jandimare.

Mesmo atualmente atendendo a um número reduzido de alunos, o colégio segue atuando com o mesmo empenho de antes, que é o de transformar a vida das crianças por meio de uma educação inclusiva.

Muitas pessoas procuram a escola para colocar o filho que tem alguma dificuldade como autismo, por exemplo. A inclusão social também continua sendo a marca do Colégio Renascer, que procura por meio de patrocínio, parcerias e doações para fazer com que crianças carentes possam estudar na instituição.

Um desses parceiros é o Educa Mais Brasil, programa de incentivo estudantil que oferece bolsas de 50% para a educação básica. “Na mesma sala em que temos filhos de médicos estudando, temos filhos de pessoas que passam até fome. E eles se misturaram e ninguém sabe direito que tem e quem não tem. É um perfil diferente, são valores diferentes que as crianças da nossa escola levam”, comemora a professora Jandimare.

Veja também

Senador quer criar CPIs sobre ações do governo no enfrentamento da Covid-19
Congresso

Senador quer criar CPIs sobre ações do governo no enfrentamento da Covid-19

Governo autoriza ampliação de vagas do Mais Médicos em Manaus diante de crise na saúde
Mais médicos

Governo autoriza ampliação de vagas do Mais Médicos em Manaus diante de crise na saúde