Escolas e hospitais terão que notificar automutilação e tentativa de suicídio

Notificações terão que ser feitas em sigilo

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta segunda-feira (29) uma lei que prevê que hospitais e escolas passem a notificar casos de tentativa de suicídio e automutilação. Os registros devem ser feitos por clínicas e hospitais públicos e privados às autoridades de saúde. Já as escolas devem notificar os casos ao Conselho Tutelar. A comunicação deve ser feita em sigilo.

O texto prevê ainda a criação de uma política nacional de prevenção ao suicídio e que haja um serviço telefônico para atendimento a pessoas em situação de sofrimento psicológico. A medida, que já havia sido aprovada no Congresso em março, foi publicada no Diário Oficial desta segunda. A proposta é autoria do deputado federal e atual ministro da Cidadania, Osmar Terra.

A notificação de casos de violência autoprovocada já era prevista em portaria do Ministério da Saúde desde 2014. Agora, vira lei e passa a incluir o acompanhamento por escolas e Conselho Tutelar, segundo o governo. Inicialmente, o projeto previa a possibilidade de aplicar sanções em caso de não cumprimento da legislação. O trecho, que previa caracterizar a situação como "infração sanitária", foi vetado após ter sido qualificado como genérico e com pouca aplicação às escolas.

Leia também:
Se escola tiver partido, que seja dos dois lados, defende Bolsonaro
Bolsonaro nega criação de imposto para igrejas


Questionado, o Ministério da Família e Direitos Humanos, à frente da proposta, informa que pretende discutir a possibilidade de sanções à falta de notificação durante a regulamentação do tema. Desde o início deste ano, o tema tem sido elencado como uma das bandeiras de gestão da atual ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Em palestras, Damares, que é pastora, disse que pensou em suicídio após ser vítima de um abuso sexual, mas desistiu ao ver a imagem de Jesus.

Além da nova política, a pasta estuda uma parceria para oferta de uma disciplina de "inteligência emocional" em universidades particulares como forma de prevenir casos de suicídio e automutilação.,A discussão é feita entre o ministério e a Anup (Associação de Universidades Particulares), entidade que abrange 189 instituições privadas -setor que concentra 75% dos estudantes de graduação. A previsão é que a disciplina, com carga horária de 80 horas, seja obrigatória para alguns cursos. A definição de quais caberia aos reitores. A proposta, porém, tem sido alvo de críticas por especialistas, para os quais a definição de uma "inteligência emocional" é inadequada. Outros apontam risco de tratar a questão do suicídio de forma reducionista. Já a pasta defende a medida.

O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016, segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde. Não há informações sobre casos entre universitários. No ano passado, a USP criou um escritório de saúde mental após registro de casos. Uma pesquisa de 2009 com 140 estudantes da pós-graduação da UFRJ concluiu que 58,6% dos pesquisadores apresentavam níveis médio e alto de estresse.

Veja também

No vácuo da gestão Bolsonaro, grupo cria campanha de vacinação contra coronavírus
Mobilização

No vácuo da gestão Bolsonaro, grupo cria campanha de vacinação contra coronavírus

Prefeitura de São Paulo espera piora de casos de Covid-19 para a próxima semana
coronavírus

Prefeitura de São Paulo espera piora de casos de Covid-19 para a próxima semana