Espiritualidade é disciplina da faculdade de Medicina da UFF

Disciplina surgiu a partir de uma palestra sobre a Medicina Integrativa na faculdade, uma abordagem orientada para um sentido mais amplo de cura, que visa tratar a pessoa em seu todo: corpo, mente e espirito

A disciplina é optativa e está na grade da faculdade desde 2017A disciplina é optativa e está na grade da faculdade desde 2017 - Foto: Educa Mais Brasil

Você acredita que a fé pode curar e contribuir com a saúde e o bem-estar? Para muitas pessoas, essa resposta é sim. E vários estudos que estão analisando a relação entre a religiosidade e espiritualidade na saúde física e mental das pessoas apresentam resultados bastante positivos.

Sabendo que esses caminhos se cruzam, o curso de Medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF) incluiu como disciplina optativa Medicina e Espiritualidade. Essa matéria está disponível na graduação desde 2017.

A ideia de implementar essa disciplina na grade do curso surgiu durante a realização de uma palestra que falava sobre a Medicina Integrativa na faculdade – uma abordagem orientada para um sentido mais amplo de cura, que visa tratar a pessoa em seu todo: corpo, mente e espirito.

“A ideia de criar uma matéria para falar sobre o assunto foi exposta para professores, coordenação e todos os núcleos responsáveis pelo curso de medicina da UFF. Em conjunto decidimos colocá-la em nosso currículo”, contou o urologista e professor da UFF, José Genilson Ribeiro.

Leia também:
Medicina é o curso mais concorrido do SSA3, diz UPE
Faculdade particular oferece bolsa de medicina e promove feira de estágio
Felicidade pode ser ensinada?


Hoje, a disciplina Medicina e Espiritualidade vai além das aulas. A disciplina é lecionada por um grupo de profissionais das áreas de Psicologia, Medicina e Arteterapia. “Além da disciplina, já foram realizados três simpósios sobre o assunto e hoje temos o Núcleo de Estudos em Saúde, Medicina e Espiritualidade (Nesme) da UFF”, acrescentou Ribeiro.

O propósito é despertar nos estudantes um olhar mais abrangente em relação ao paciente. Segundo o especialista, é muito importante trabalhar assuntos como esse porque não se pode tratar apenas o efeito da doença. “É necessário fazer o paciente se questionar sobre o que aquela doença significa na vida dele. Muitas vezes, nós tratamos apenas a enfermidade, mas o fatores que causaram a doença continuam lá”.

Assim como em qualquer ambiente, em turmas de curso superior é possível encontrar estudantes de todas as religiões e crenças. E isso precisa ser trabalhado e respeitado. Da mesma forma, funciona os atendimentos com os pacientes. “Precisamos utilizar a fé do paciente para ajudá-lo. Com a mudança de valores e transformação interior, os resultados serão bem maiores”, assegurou o professor.

Veja também

Oposição quer que ministro explique falta de auxílio para fila do Bolsa Família
Auxílio Emergencial

Oposição quer que ministro explique falta de auxílio para fila do Bolsa Família

Joice Hasselmann afirma que PSL se vendeu a Bolsonaro e entra com ação no TSE para deixar o partido
Política

Joice Hasselmann afirma que PSL se vendeu a Bolsonaro e entra com ação no TSE para deixar o partido