Ex-juiz do caso Eike é condenado a 52 anos de prisão

Flávio Roberto de Souza foi condenado pela Justiça Federal do Rio de Janeiro por peculato e lavagem de dinheiro.

Juiz Flávio Roberto de SouzaJuiz Flávio Roberto de Souza - Foto: Divulgação

O juiz Flávio Roberto de Souza, que foi flagrado dirigindo um Porsche apreendido do empresário Eike Batista, foi condenado pela Justiça Federal do Rio de Janeiro a 52 anos de prisão por peculato e lavagem de dinheiro.

O juiz Gustavo Pontes Mazzocchi, da 2ª Vara Federal Criminal do Rio, determinou ainda que Flávio Roberto perca o cargo de magistrado e que restitua recursos desviados da Justiça. Ele ainda pode recorrer. A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa de Flávio Roberto. No processo, seus advogados dizem que ele sofre de problemas mentais.

As penas não têm relação com o caso de Eike Batista. Flávio Roberto respondia a outros dois processos sobre desvio de recursos da Justiça. Em um deles, o Ministério Público Federal acusa o juiz de desviar R$ 106.125,15 obtidos com a venda de um veículo do traficante espanhol Oliver Ortiz de Zarate Martin, que foi preso em operação da Polícia Federal.

No outro, diz que ele desviou R$ 290.521 de conta da Justiça Federal, usando documentos e informações falsas. Ele também teria se apropriado de US$ 105.617 mil e 108.170 euros.

Leia também:
Juiz é condenado por usar bens apreendidos de Eike Batista
STF livra Eike Batista de prisão domiciliar


De acordo com a Procuradoria, os recursos desviados nos dois casos foram usados para comprar dois veículos -um deles para a filha do juiz- e um apartamento na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Em cada um dos processos, a pena estabelecida foi de 26 anos. Um deles pede a devolução de R$ 240.521 -parte será abatida com a venda do carro comprado. Flávio Roberto já havia devolvido R$ 599.000.

"Como membro do Poder Judiciário, cumpria ao réu, acima de tudo, zelar pela escorreita aplicação da lei, pela defesa da regularidade dos procedimentos e pelo combate ao crime e a quem os pratica. Não foi o que fez", escreveu o juiz Mazzocchi, em uma das decisões.

"Descambando para a ilegalidade, usou das facilidades e do poder hierárquico sobre servidores para obter vantagem de caráter patrimonial, subtraindo, escancaradamente e sem pudor, valores que não lhe pertenciam", completou.

Veja também

Denúncias contra direitos humanos podem ser feitas via WhatsApp
Redes Sociais

Denúncias contra direitos humanos podem ser feitas via WhatsApp

Operação Ábdito da PF apura morte de indígenas em Roraima
Investigação

Operação Ábdito da PF apura morte de indígenas em Roraima