Fábio Assunção vai a protesto contra morte de Ágatha no Rio e retrata descaso ao Alemão

O ator Fábio Assunção gravou momentos do protesto que ocorreu no dia do enterro da menina assassinada

Fábio Assunção compareceu ao enterro de ÁgathaFábio Assunção compareceu ao enterro de Ágatha - Foto: Reprodução/Twitter

Diversos artistas se manifestaram nas redes sociais sobre a morte trágica de Ágatha Vitória Sales Félix, 8, no Rio. A garota morreu na madrugada deste sábado (21) após ser atingida por um tiro nas costas quando estava dentro de uma Kombi que transitava no Complexo do Alemão.

O ator Fábio Assunção gravou momentos do protesto que ocorreu no dia do enterro da menina assassinada. Ele divulgou imagens do Alemão para retratar que viu o local abandonado, com "ruas cheias de buracos, casas sem fachadas, obras paradas e esgoto a céu aberto".

"O morador da periferia e da comunidade não merece viver? Está ali apenas para servir às classes que herdaram algo ou aos que tiveram chance de conquistar uma moradia silenciosa, aos que não dormem ao som dos tiroteios?", questionou o ator. Para Assunção, é preciso que todos se unam, pois já é tempo de romper "essa educação colonial" em que os pretos são perdedores e os brancos, ricos.

Leia também:
Moradores de comunidade fazem protesto contra morte de Ágatha
Para Mourão, morte de Ágatha é resultado da guerra do narcotráfico
Governo do RJ diz que Witzel pediu 'máximo rigor' em investigação sobre morte de Ágatha

"Independentemente do que pensa esse grupo que enaltece a morte, eu sinto amor e estive no Alemão hoje. Solidário, empático com a dor coletiva e marcando a posição que acredito. Que é a urgência em nos reconhecermos entre aqueles de quem aprendemos manter distância", afirmou.

Para o ator, a guerra que o Rio vive é perdida. "Policiais em serviço morrem. Cidadãos de bem morrem. Crianças morrem. Quem teve a sorte de não estar na linha de tiro pode se posicionar também. Amorosa e pacificamente." E encerra: "Morador pobre de comunidade não é coitado. Coitados são aqueles que desprezam a vida do outro".

Veja também

Covid-19: Brasil tem 140 mil mortes e 4,68 milhões de casos acumulados
boletim

Covid-19: Brasil tem 140 mil mortes e 4,68 milhões de casos acumulados

Justiça mantém obrigação para Flordelis usar tornozeleira eletrônica

Justiça mantém obrigação para Flordelis usar tornozeleira eletrônica