Federação Espírita condena atendimentos individuais, após denúncias contra João de Deus

Segundo a Federação Espírita Brasileira, "o espiritismo orienta que o serviço espiritual não deve ocorrer isoladamente, apenas com a presença do médium e da pessoa assistida"

Federação Espírita BrasileiraFederação Espírita Brasileira - Foto: Divulgação/Federação Espírita Brasileira

A Federação Espírita Brasileira divulgou no último sábado (8) uma nota condenando atendimentos individuais por curadores, após virem à tona denúncias de abuso sexual de ao menos 13 mulheres contra João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, um dos médiuns mais famosos do país.

Segundo a federação, "o espiritismo orienta que o serviço espiritual não deve ocorrer isoladamente, apenas com a presença do médium e da pessoa assistida". A nota não cita o nome do médium diretamente.

As mulheres afirmam, no entanto, que eram chamadas por João de Deus para consultas individuais, na Casa Dom Inácio de Loyola, onde ele faz cirurgias espirituais e passes, em Abadiânia (GO). Elas eram levadas a uma sala adjacente a um banheiro, onde aconteciam os supostos abusos. Outro ponto que se repete é o oferecimento de cristais como presentes.

Leia também
Denúncias de assédio por João de Deus geram medo em cidade do interior Goiás
Promotoria de Goiás diz que já investigava denúncias contra João de Deus
De Temer a Oprah Winfrey: os famosos que frequentaram casa de João de Deus
Médium João de Deus é acusado de abuso sexual


Ainda de acordo com a nota, a doutrina espírita "não recomenda, portanto, a atividade de médiuns que atuem em trabalho individual, por conta própria. Estes não estão vinculados ao Movimento Espírita, nem seguindo sua orientação". O espiritismo atua "com o trabalho de caridade material e espiritual desinteressada, sem nenhum propósito a não ser o de auxiliar os necessitados".

A nota também cita um pensamento psicografado pelo médium Chico Xavier: "Não é a mediunidade que te distingue. É aquilo que fazes dela". Como mostrou a Folha de S.Paulo em 2012, João de Deus tem o garimpo como fonte de renda e possuía pelo menos uma fazenda de 597 alqueires -o correspondente a 18 parques como o do Ibirapuera (zona sul de São Paulo)- na divisa de Goiás com Mato Grosso. Lá, uma propriedade dessa dimensão não sai por menos do que R$ 2 milhões.

A Casa que administra, fundada em 1976, tem atendimento gratuito, mas também farmácia de manipulação, livraria, lanchonete e loja de cristais benzidos pelo médium. A garrafa de água custava R$ 1 à época, a fluidificada por João de Deus, valia R$ 3.

O grosso do dinheiro arrecadado, porém, vem da venda de frascos de passiflora, calmante natural fabricado pelo grupo. O frasco, com 175 cápsulas, custa R$ 50. Como a média de atendimento é calculada em mil pessoas por dia, três vezes por semana, a receita com a venda pode chegar a R$ 500 mil ao mês.

OUTRO LADO
Em nota enviada ao programa da TV Globo "Conversa com Bial", que relevou os casos, a assessoria de imprensa do médium afirmou o seguinte: "Há 44 anos, João de Deus atende milhares de pessoas em Abadiânia, praticando o bem por meio de tratamentos espirituais. Apesar de não ter sido informado dos detalhes da reportagem, ele rechaça veementemente qualquer prática imprópria em seus atendimentos".

A reportagem tentou contato com o médium, mas até o momento não recebeu resposta.

Veja também

Governo afirma ao STF que 72% dos índios já receberam as duas doses da vacina contra a Covid-19
Vacinação

Governo afirma ao STF que 72% dos índios já receberam as duas doses da vacina contra a Covid-19

Novo lote com 529 mil doses de vacina da Pfizer chega ao Brasil
Coronavírus

Novo lote com 529 mil doses de vacina da Pfizer chega ao Brasil