Fernando Collor é alvo de operação da Polícia Federal

A operação, batizada como Arremate, é realizada nesta sexta-feira (11) em Maceió e Curitiba

Senador Fernando Collor (PROS-AL)Senador Fernando Collor (PROS-AL) - Foto: Agência Senado

O ex-presidente da República e atual senador Fernando Collor (PROS-AL) é alvo de uma operação da PF (Polícia Federal). A operação, batizada como Arremate, é realizada nesta sexta-feira (11) em Maceió e Curitiba. No total, foram expedidos 16 mandados de busca e apreensão nas capitais de Alagoas e do Paraná. Eles foram autorizados pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

O objetivo da operação, segundo a PF, é "combater um esquema de lavagem de capitais por meio de compras de imóveis" em leilões judiciais. Os investigadores apontam que Collor estaria envolvido em um esquema no arremate de imóveis em 2010, 2011, 2012 e 2016.

Leia também:
PGR denuncia Fernando Collor pela prática de peculato
Cabral é condenado a mais 33 anos de prisão por crimes da Lava Jato
Ex-assessora de Janot assume Lava Jato em SP

A PF aponta que o político utilizaria um "laranja" com a proposta de "ocultar a sua participação como beneficiário final das operações". "Essas compras serviriam para ocultar e dissimular a utilização de recursos de origem ilícita, bem como viabilizar a ocultação patrimonial dos bens e convertê-los em ativos lícitos", diz a PF.

Os valores envolvidos no esquema chegariam a R$ 6 milhões, segundo as investigações. A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa de Collor. Procurado, o gabinete do senador disse que o político irá se manifestar pelas redes sociais, o que não aconteceu até o momento.

Os crimes apurados, de acordo com a PF, são os de lavagem de ativos, corrupção ativa, corrupção passiva, peculato, falsificações e organização criminosa.

Veja também

Enem: estudantes tem até 1º de outubro para inserir foto no cadastro
Enem 2020

Enem: estudantes tem até 1º de outubro para inserir foto no cadastro

Com 66% da população infectada, Manaus pode ter atingido a 'imunidade de rebanho'
Coronavírus

Com 66% da população infectada, Manaus pode ter atingido a 'imunidade de rebanho'