Fim da Lei Rouanet seria muito ruim para o Brasil, diz ministro da Cultura

"Duvido que havia outro programa com mais rigor e mais transparência que a Lei Rouanet. Mais de R$ 17 bilhões foram injetados na nossa economia criativa", declarou Sérgio Sá Leitão

Ministro da Cultura, Sérgio Sá LeitãoMinistro da Cultura, Sérgio Sá Leitão - Foto: José Cruz/Agência Brasil

Investir na cultura e na economia criativa brasileira é "bom senso" e um eventual fim da Lei Rouanet seria "muito ruim para a cultura brasileira", disse o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, nesta segunda (5). "Acho que há no nosso país uma grande dificuldade não só do governo, mas também da sociedade, de perceber a força das atividades culturais e criativas, que muitas vezes são vistas como algo secundário ou festivo, sem que haja um reconhecimento social da importância do investimento público e privado nessa área", disse o ministro.

Na sequência, ele comentou o possível fim da Lei Rouanet no governo de Jair Bolsonaro. "Espero sinceramente que isso não aconteça. Será muito ruim para a cultura brasileira. Mais de 53 mil projetos de todas as áreas da cultura aconteceram [via lei]. Os tais projetos de artistas consagrados correspondem a 1% disso, ou seja, é uma parte muito pequena do que a Lei Rouanet representa."

O ministro afirmou ainda que graças à lei, "mais de R$ 17 bilhões foram injetados na nossa economia criativa, contribuindo para a geração de renda, a geração de emprego e inclusive para aumento de arrecadação tributária. Duvido que havia outro programa com mais rigor e mais transparência que a Lei Rouanet. Todas as informações estão disponíveis via site."

Leia também
Bolsonaristas fazem campanha contra a Lei Rouanet
Ministro da Cultura anuncia mudanças na Lei Rouanet
Lei Rouanet: de transparência a limites de incentivo; veja o que muda


Segundo ele, o MicBR deve gerar grande retorno e, portanto, teria grande chance de continuar no próximo governo. "Eu tenho fé nas boas ideias, acho que aqui temos uma ótima ideia e a gente pode crescer e se mobilizar", continuou o ministro, que não comentou sobre a provável fusão da pasta com outros ministérios e desconversou sobre uma possível participação sua no governo Bolsonaro. "Minha missão agora é tocar o Ministério da Cultura. Não vejo muito sentido falar nisso."

Até domingo (11) em espaços culturais da avenida Paulista, o evento promove encontros entre artistas, produtores e empreendedores, nacionais e internacionais, com o intuito de expor uma vitrine da economia criativa brasileira. A proposta se espelha num programa anual argentino de internacionalização da produção cultural do país. Realizado pelo Ministério da Cultura e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), o programa deve ter um retorno de até R$ 30 milhões, segundo estudo da FGV — oram investidos pelo governo R$ 4 milhões.

"No nosso país, não investir em cultura, nas atividades culturais e criativas é um desperdício. É um dos dez maiores setores da nossa economia, é mais importante hoje economicamente do que setores tradicionais, como a indústria têxtil, farmacêutica e de eletroeletrônicos, e tem potencial de crescimento vastíssimo", afirmou ele, durante apresentação do Mercado das Indústrias Criativas do Brasil (MicBR).

Veja também

Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
BRASIL

Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas

Login sem senha? Microsoft quer que usuários apostem em outras formas de segurança
SEGURANÇA

Login sem senha? Microsoft quer que usuários apostem em outras formas de segurança