Forças Armadas reforçarão patrulhamento diurno na Vila Kennedy

Durante o dia, 300 militares atuarão em conjunto com a PM na comunidade, e, durante a noite, somente a Polícia Militar fará o patrulhamento ostensivo.

Cerca de 1,4 mil militares das Forças Armadas voltam à Vila Kennedy, na zona oeste da cidade.Cerca de 1,4 mil militares das Forças Armadas voltam à Vila Kennedy, na zona oeste da cidade. - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Militares das Forças Armadas participarão de uma sequência de operações para reforçar o patrulhamento diário da Polícia Militar na Vila Kennedy, na zona oeste da capital fluminense, anunciou neste sábado (10) o Comando Conjunto responsável pelas operações integradas de Garantia da Lei e da Ordem no estado.

Durante o dia, 300 militares atuarão em conjunto com a PM na comunidade, e, durante a noite, somente a Polícia Militar fará o patrulhamento ostensivo. A sequência de operações que envolverá os militares fará ações de cerco e estabilização da área, podendo remover obstáculos instalados a pedido de criminosos. O cumprimento de mandados será de responsabilidade da Polícia Civil.

Durante a operação, algumas ruas e acessos da comunidade poderão ser interditados, e setores do espaço aéreo poderão ser controlados, causando restrições dinâmicas para aeronaves civis. A operação dos aeroportos não será afetada.

Na última semana, uma série de operações com mais de mil militares foi realizada na Vila Kennedy. Mesmo assim, barricadas removidas das ruas foram recolocadas a mando do crime organizado após a saída das Forças Armadas, que voltaram a retirar os obstáculos no dia seguinte. Segundo o interventor federal general Walter Braga Netto, em entrevista ao canal GloboNews, a experiência na comunidade da zona oeste servirá de modelo para outras ações no estado.

Em entrevista coletiva na sexta-feira (9), o ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann, também afirmou que as ações da Vila Kennedy eram um piloto do que seria feito pela intervenção e acrescentou que as sucessivas operações mostram a disposição da nova política de segurança. "É um recado de que não vamos desistir. Estamos determinados e vamos até o fim", enfatizou.

Leia também
População do Rio sentirá mudanças na segurança em até 4 meses, diz Jungmann 
Rio se organiza para vigiar a intervenção dos militares

Veja também

Brasil soma mais 26.979 novos casos e 432 mortes por Covid-19 nas últimas 24h
CORONAVÍRUS

Brasil soma mais 26.979 novos casos e 432 mortes por Covid-19 nas últimas 24h

Bolsonaro diz que pediu flexibilização de restrições para entrada nos EUA para estudantes
Diplomacia

Bolsonaro diz que pediu menos restrições para entrada de estudantes nos EUA