Gilmar Mendes diz que lei de abuso valerá para todas autoridades

Segundo o ministro, a atualização da lei era um 'remédio necessário' para combater abusos

Ministro do STF, Gilmar Mendes. Ministro do STF, Gilmar Mendes.  - Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse nesta quinta-feira (15) que a lei de abuso de autoridade, aprovada pela Câmara dos Deputados, não está voltada para uma determinada categoria e deverá ser aplicada contra parlamentares, delegados, promotores, juízes, inclusive ministros de tribunais superiores.

Segundo o ministro, a atualização da lei era um "remédio necessário" para combater abusos. A legislação atual sobre o assunto está em vigor desde 1964. "A reclamação é geral porque inexistia qualquer freio. De novo é aquela discussão sobre o Estado de Direito. Estado de Direito é aquele em que ninguém é soberano", disse.

Na última quarta-feira (14), após a aprovação da matéria, as principais associações de juízes e procuradores brasileiros reagiram à aprovação do projeto de lei de abuso de autoridade.

Leia também:
STF aprova orçamento de 2020 sem aumento de salário dos ministros
Conselho abre processo disciplinar contra procurador que criticou STF
Operação Lava Jato só existe graças ao STF, diz Dias Toffoli
Maioria do STF suspende transferência de Lula

Para as associações, a amplitude do texto que segue para sanção coloca em xeque a independência do Judiciário, ao intimidar a atuação da magistratura. Elas prometem mobilizar a opinião pública em prol do veto presidencial e planejam encaminhar à Casa Civil pareceres técnicos para embasar o veto.

O projeto de lei sobre abuso de autoridade, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), já havia sido aprovado no Senado. Após ser também aprovado quarta-feira (14) em regime de urgência no plenário da Câmara, segue para sanção presidencial.

O texto aprovado elenca cerca de 30 condutas que passam a ser tipificadas como crime, passíveis de detenção, entre elas pedir a instauração de inquérito contra pessoa mesmo sem indícios da prática de crime, estender investigação de forma injustificada e decretar medida de privação de liberdade de forma expressamente contrária às situações previstas em lei, por exemplo.

Veja também

Covid-19: Brasil tem 140 mil mortes e 4,68 milhões de casos acumulados
boletim

Covid-19: Brasil tem 140 mil mortes e 4,68 milhões de casos acumulados

Justiça mantém obrigação para Flordelis usar tornozeleira eletrônica

Justiça mantém obrigação para Flordelis usar tornozeleira eletrônica