Governo amplia nomeação de militares em cargos do Ministério da Saúde

Nesta quarta (6), o ministro Nelson Teich nomeou mais cinco nomes de origem militar para cargos de coordenação e direção no ministério

Ex-ministro da saúde Nelson TeichEx-ministro da saúde Nelson Teich - Foto: Alan Santos/PR/Flickr

Após a indicação do general Eduardo Pazuello para ocupar o posto de número 2 do Ministério da Saúde, o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) vem ampliando a participação de militares na pasta.

Nesta quarta (6), o ministro Nelson Teich nomeou mais cinco nomes de origem militar para cargos de coordenação e direção no ministério.

Eles devem assumir funções na secretaria-executiva, sob comando de Pazuello. As nomeações foram publicadas em edição extra no Diário Oficial da União.

Leia também:
Ministério da Saúde faz levantamento sobre saúde mental do brasileiro
Guedes tenta convencer militares que privatizações podem atrair R$ 150 bi


Entre os nomeados está Paulo Guilherme Ribeiro Fernandes, que é tenente-coronel do Exército e irá assumir o cargo de coordenador-geral de planejamento.

Também foram nomeados Reginaldo Ramos Machado, para diretor do departamento de gestão interfederativa e participativa, e Jorge Luiz Kormann, como diretor. Ambos têm histórico de formação militar.

Outros dois nomes são Marcelo Blanco da Costa, que é ligado ao Exército e deve assumir o cargo de assessor do Departamento de Logística em Saúde, área responsável por compras na pasta, e Emanuella Almeida Silva, que será coordenadora de pagamento de pessoal e contratos administrativos.

As nomeações ocorrem uma semana após Pazuello ser oficializado como secretário-executivo. Ex-coordenador da Operação Acolhida, de atendimento a imigrantes venezuelanos, o general teve seu nome indicado por outros ministros generais e teve o convite formalizado pro Bolsonaro para ocupar a função.

Na última quinta (30), o governo já havia publicado a nomeação do coronel do Exército Antonio Elcio Franco Filho como secretário-executivo adjunto de Pazuello.

O coronel foi secretário estadual de Saúde de Roraima entre abril e junho de 2019, na gestão de Antonio Denarium (PSL), um dos principais aliados de Bolsonaro. Ele tem graduação e mestrado em ciências militares.

Questionado sobre a nomeação de outros secretários na última semana, Teich disse que já tinha uma definição sobre a equipe, mas aguardava análise e chancela do governo sobre as indicações.

Até o momento, além de Pazuello, apenas mais um secretário já foi confirmado: o médico e biofísico Antônio Carlos Campos de Carvalho, que deve ocupar o secretário de ciência e tecnologia do Ministério da Saúde.

Professor titular da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), ele já havia sido diretor do departamento de ciência e tecnologia da mesma secretaria entre 2013 e 2015.

Outros dois secretários devem ser mantidos nos cargos, segundo a reportagem apurou. Entre eles está a secretária de gestão em trabalho na saúde, Mayra Pinheiro, que confirma a permanência.

Embora tenha sido indicada ao cargo na gestão de Luiz Henrique Mandetta, Pinheiro era de um grupo mais afastado do ex-ministro.

Atual secretário especial de saúde indígena, o coronel da reserva do Exército Robson Santos da Silva também deve continuar na equipe. A reportagem não conseguiu contato com Silva.

Veja também

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho
Henry Borel

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho

Merendeira que ajudou crianças em massacre de Suzano é 1ª profissional de educação vacinada
Covid-19 no Brasil

Merendeira que ajudou crianças em massacre de Suzano é 1ª profissional de educação vacinada